INFORMAÇÃO

Transporte clandestino desafia as autoridades

Vans levam passageiros para Bertioga nos fins de semana e em feriados

A cena é antiga e se repete, principalmente, durante os finais de semana de sol e nos feriados prolongados. Grupos de jovens que descem dos trens de subúrbio na Estação dos Estudantes, vindos da zona Leste da Capital e cidades próximas, passam pelo Terminal Rodoviário Geraldo Scavone e se aglomeram em algum ponto das vias mais próximas. Logo uma van se aproxima, todos entram, se acomodam, e o veículo parte, lotado, em direção às praias de Bertioga. A cena para a qual poucos dão a devida atenção revela uma ilegalidade que vem sendo praticada na cidade há muitos anos, sem que ocorra uma maior fiscalização de parte do município e, principalmente, do DER, a quem caberia averiguar melhor esse tipo de burla à legislação em vigor. O transporte clandestino que dá prejuízos à empresa que, legalmente, explora o Terminal Rodoviário de Mogi, e, por tabela, ao município, às empresas de ônibus legalmente constituídas que cobrem o percurso entre a cidade e o litoral da Baixada Santista, significa também riscos para os usuários. Afinal, as vans utilizadas para o transporte ilegal não se submetem às fiscalizações de rotina exigidas dos ônibus e de veículos regularmente autorizados para atuar no transporte de passageiros. Geralmente, são carros já antigos e que podem colocar em risco a vida das pessoas que neles viajam, cumprindo um trajeto difícil, já que atravessa a região da Serra do Mar, numa pista com muitas curvas e onde a neblina e chuva costumam ser constantes. O curioso: segundo pessoas ouvidas pela coluna, mesmo durante o atual período de pandemia, o transporte clandestino continuou sendo praticado, ainda que apenas em finais de semana e feriados. A queda no movimento com a chegada do período de inverno parece não ter desanimado os clandestinos que continuam desafiando a fiscalização com as atividades irregulares.

Descontos

Projeto de lei de autoria do vereador Rodrigo Valverde (PT) propõe “a suspensão por, no mínimo três meses e, em todo caso, enquanto vigorar o estado de calamidade pública decretado em razão da pandemia de Covid-19, os descontos em folha de pagamento ou na remuneração disponível dos valores referentes ao pagamento de empréstimos de servidores públicos estatutários, aposentados ou pensionistas vinculados ao Iprem”. A suspensão alcança também a incidência de juros sobre o saldo devedor e as parcelas previstas serão deslocadas para o final do contrato. Só resta saber se o outro lado aceitará passivamente a ideia.

Dia do Advogado

O desembargador mogiano aposentado, Marco Antonio Nahum, esteve entre os homenageados pela Comissão de Direitos Humanos e outros setores da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo, ontem à noite, pelo seu trabalho, ainda como advogado, em favor da democracia, durante o período em que o País vivia sob a ditadura militar. Junto com Nahum, outros advogados foram lembrados, como Belisário dos Santos Jr., Airton Soares, Idibal Piveta, Graça Mello, Luís E. Greenhalg e Roberto Delmanto, Maria Luíza Bierrenbach e Thales Castello Branco.

Acorrentados

A Câmara de Mogi deverá votar, em breve, projeto de autoria da vereadora Fernanda Moreno (PV) que proíbe o acorrentamento de cães e gatos no município. A proposta alcança todo tipo de imposição de restrição à liberdade de locomoção dos animais domésticos pelo emprego de qualquer método de aprisionamento, permanente ou rotineiro, a objetos estáticos, por períodos contínuos.

Radialistas

Por conta da proibição imposta pela legislação eleitoral, que entrou em vigor ontem, o prefeito Marcus Melo (PSDB) deixará de fazer sua participação semanal no jornal Radar Noticioso da Rádio Metropolitana, ao lado da jornalista Marilei Schiavi. Também deixará de ser transmitido o programa Sábado Show, que a virtual candidata a vereadora, Lê Guedes (MDB), ligada ao Sindicato dos Comerciários de Mogi, apresentava na emissora.

Frase

A liberdade não é um luxo dos tempos de bonança; é, sobretudo, o maior elemento de estabilidade das instituições.

Ruy Barbosa (1849-1923), jurista, advogado, político, diplomata, escritor e jornalista brasileiro


Deixe seu comentário