A pandemia trouxe novas dificuldades para o empreendedor de startup? O que mudou?

Os desafios de empreender são diversos, e recursos financeiros são um dos maiores, o que no mundo das startups muitas vezes é resolvido com a chegada de investidores. Com a pandemia muitos negócios tiveram que se reinventar para se adequar a situação, e no Empregga não foi diferente. Nos meses iniciais do distanciamento tivemos um faturamento baixo, porém nos valemos do momento para tornar nosso negócio 100% digital, o que trouxe a possibilidade de quebrar as barreiras regionais e passamos a atender em qualquer lugar do Brasil.

 

 

Como fazer as pessoas depositarem confiança e também dinheiro numa startup, empresa que está começando, quando o país e o mundo enfrentam uma severa crise?

Com relação aos investimentos em startups no Brasil, a pandemia se mostrou quase nula. Segundo dados do mercado de Venture Capital do país, os investimentos de janeiro a abril foram 118% maiores em relação ao mesmo período de 2019. A confiança de investir em startups advém do modelo de negócio muitas vezes enxuto e flexível que esse tipo de empresa apresenta. Claro que são necessários alguns quesitos para se obter essa confiança, como mostrar que o negócio é lucrativo, escalável, e que pode crescer em pouco tempo após a investida.

 

Falando nisso, como projetar a escala do negócio num cenário como o atual?

Como disse, a pandemia nos trouxe outro cenário de mercado independentemente do negócio. Todos tiveram que se reinventar. No caso do Empregga, nosso modelo é projetado em escalar por meio de mulheres formadas em RH que têm a possibilidade de trabalhar 100% home office.

 

Como tem sido o suporte do Polo Digital ao longo dos últimos meses, quando distanciamento social e outras medidas de segurança foram impostas pelo novo coronavírus?

Estar incubados lá nos ajudou muito com relação a redução de custos, pois não temos despesas comuns como aluguel, o que dá um respiro para qualquer negócio. A estrutura do Polo nos proporcionou a possibilidade de nos manter em pé, bem como validar um de nossos pilares, a educação, por conta do estúdio super estruturado em que foi possível gravar cursos e treinamentos.

 

O Brasil tem hoje mais de 13 milhões de desempregados. Esse cenário de incertezas configura um desafio para que vocês se estabeleçam no mercado?

Sem dúvidas, é um grande desafio. Mas enxergamos também como uma grande oportunidade, pois o fato de ajudarmos o cliente a contratar da maneira certa faz com que o negócio dele cresça e consequentemente precise contratar novamente. Nos meus 10 anos de experiência na área, sempre enxerguei esse cenário como um paradoxo, pois os estudos sempre apontam um grande número de desempregados, porém as vagas de emprego coexistem no mesmo cenário. Minha visão sobre o desemprego é que empregos existem. O que falta é a qualificação dos profissionais.

 

Falando no mercado, como vocês enxergam Mogi das Cruzes neste quesito de ofertas e procura de empregos?

Estamos numa grande cidade e um dos benefícios disso é a pluralidade nas opções de empregabilidade. Temos indústrias, agricultura, serviços e comércio à disposição da comunidade. No entanto, a mão de obra especializada muitas vezes acaba migrando para São Paulo pela falta de oportunidades, além de outros quesitos como salários mais atraentes.

 

O Empregga oferece uma “nova forma de contratar funcionários para pequenas empresas”. O que exatamente vocês fazem?

Podemos dizer que somos a revolução no processo de recrutamento e seleção para pequenas empresas. Segundo diversos estudos, contratar novos colaboradores é uma das maiores dores das empresas de pequeno porte. Isso se dá pelo fato do empresário fazer o processo seletivo por conta própria, e quando isso ocorre ele se vale da maneira mais comum que é pedir indicação para funcionários ou amigos, e pela falta de técnica durante o processo acaba contratando errado, o que acarreta diversos problemas para sua empresa, como a alta rotatividade, por exemplo.

Com o Empregga o empresário não mais precisará passar por isso.

 

Como tudo funciona?

Somos uma plataforma que conecta empresas de pequeno porte a profissionais de RH especializadas em recrutamento e seleção. O empresário que tiver uma vaga entra em nosso app ou site e solicita o atendimento de uma agente, que entra em contato para alinhar o perfil de candidatos desejados. Após esse primeiro passo ela dará inicio ao processo seletivo que será feito de maneira 100% online, e depois da entrevista o empresário escolhe um dos candidatos e a agente finaliza a vaga. Se pudéssemos resumir, somos o Uber do recrutamento e seleção.