MENU
BUSCAR
SANEAMENTO BÁSICO

Saiba por que Suzano tem melhores índices que Mogi

Pesquisa nacional do Instituto Trata Brasil e consultoria GO Associados mostra Suzano em 10ª lugar, Mogi em 44º e Itaquá em 70º lugar no ranking.

Darwin ValentePublicado em 02/05/2021 às 18:09Atualizado há 10 dias
Mogi é a única cidade a manter um sistema autônomo de saneamento, o Semae / Divulgação - Prefeitura de Mogi das Cruzes

O município de Mogi das Cruzes apresenta o 44º melhor desempenho do País na oferta de saneamento básico, segundo o “Ranking do Saneamento 2021”, elaborado em conjunto pelo Instituto Trata Brasil e consultoria GO Associados, que avalia as 100 maiores cidades brasileiras, com base nos índices colhidos no ano de 2019. Entre as três cidades da região do Alto Tietê analisadas na pesquisa, Suzano apresenta a melhor colocação, classificando-se em 10º lugar no quadro geral e mantendo-se à frente de Mogi e Itaquá, este último município ocupando o 70º lugar no ranking.

Entre os três melhores situados da região, Mogi das Cruzes é a única cidade a manter um sistema autônomo de saneamento, que é operado pelo Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae). Suzano e Itaquá há muito tempo entregaram os respectivos serviços de saneamento à Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a Sabesp, que vem conseguindo aprimorar progressivamente o seu trabalho junto às cidades a ela vinculadas.

A partir de agora, o leitor vai acompanhar uma comparação entre os índices alcançados na pesquisa pelos dois principais municípios do Alto Tietê em termos de saneamento básico para que possa entender melhor por que as cidades de Mogi das Cruzes e Suzano apresentam comportamentos um tanto díspares em relação ao assunto. Ao final, caberá ao leitor tirar suas próprias conclusões a respeito da situação apresentada pelas duas cidades.

Com 445.842 habitantes em relação aos 297.637 de Suzano, o município de Mogi apresenta um percentual de 98,5% de total de água tratada contra 100% de Suzano. Ambas as cidades, no entanto, alcançaram a nota máxima relativa ao atendimento de água: 0,50. Os dois municípios mantêm idênticos índices quando a pesquisa analisa o índice urbano de água tratada. Suzano mantém seus 100% e Mogi os mesmos 98,5%, voltando, ambos, a alcançar a nota máxima de 0.50.

Em relação ao esgoto, o índice de atendimento total de Suzano chega a 98,41%, enquanto Mogi alcança 93,58%. Os dois municípios voltam a alcançar a nota máxima desse índice que é de 1,25. Já o índice de atendimento urbano de esgotos de Suzano é de 100%, enquanto Mogi atinge o máximo de 93,57%. A diferença de população entre as duas cidade faz com ambas voltem a alcançar a nota máxima neste quesito, que é de 1,25.

No indicador que relaciona o esgoto tratado por quantidade de água consumida, Suzano alcança 54,32%, enquanto Mogi cai para 51,06%. A nota atribuída a Suzano neste quesito é 1,70, enquanto a de Mogi é de 1,60. As duas cidades, nesse item estão bem distantes da nota máxima, que é 2,50.

O próximo item analisado na pesquisa trata do investimento realizado no setor de saneamento nos últimos cinco anos. Em Suzano foram aplicados R$ 219,82 milhões, enquanto em Mogi, R$ 145,20 milhões, valores bem distantes um de outro, os quais se tornam ainda mais intrigantes, quando a pesquisa mostra que Suzano conseguiu arrecadar , neste mesmo período, R$ 635 milhões contra R$ 842,65 milhões de Mogi das Cruzes.

Nos últimos cinco anos, a Sabesp investiu R$ 219,82 milhões em Suzano, enquanto o Semae se limitou a aplicar em Mogi, apenas R$ 77,11 milhões. Isso significa que enquanto a Sabesp investia,durante os últimos cinco anos, R$ 147,71 em cada um dos 297.637 moradores suzanenses, o Semae aplicava, no mesmo período, R$ 65,13 para cada um dos 445.842 habitantes de Mogi das Cruzes.

Se levada em conta a arrecadação de cada município, Suzano alcançou um índice de 34,62% de investimento sobre o total arrecadado no município. Já em Mogi, este mesmo índice de investimento ficou em 17,23%. Por isso mesmo, a nota de Suzano pelo investimento em relação à arrecadação foi de 0,62, enquanto a de Mogi não conseguiu ultrapassar o 0,17, muito abaixo da nota máxima atribuída ao quesito pela pesquisa, que foi de 0,75.

Água e esgoto

No período correspondente à pesquisa, Suzano conquistou 2.246 novas ligações de água, contra 3.058 de Mogi. Para atingir a universalização dos acessos às redes de água, faltam 2.246 ligações para Suzano, enquanto Mogi ainda necessita de mais 3.058 ligações de água.

Ainda no período da pesquisa, Suzano obteve 3.183 novas ligações de esgotos, enquanto Mogi obteve 2.930. Para alcançar a universalização dos acessos às redes de esgotos, Suzano necessita de 4.522 ligações, número bem inferior a Mogi que, segundo a análise, precisa de 11.480 novas ligações.

Águas perdidas

Um importante índice a ser levado em conta quando se trata de saneamento básico são as perdas de água tratada em razão de vários fatores, mas principalmente os vazamentos que costumam ocorrer no trajeto do líquido entre a estação de tratamento e os consumidores finais. Há ainda os chamados “gatos”, que são as ligações clandestinas existentes especialmente em bairros mais distantes da área central.

A pesquisa do Trata Brasil mostrou que é de 17,66% o indicador de perdas sobre o faturamento do setor em Suzano. Já em Mogi, tal indicador  chega a 36,74%. Em relação à nota máxima atribuída pela pesquisa ao índice de perdas, que é de 0,50, Suzano atingiu 0,42, enquanto Mogi ficou abaixo da metade: 0,20.

A pesquisa sobre as perdas mostra números ainda mais impressionantes em relação a Mogi, quando se analisa o índice de perda na distribuição da água. Enquanto a Sabesp, em Suzano apresenta um índice de perdas de  27,92%, o Semae de Mogi alcança 42,82%. Ou seja, um percentual que indica perdas de quase a metade de toda água tratada e distribuída para a cidade. Por isso, nesse item, a pesquisa atribui uma nota de 0,27 para Suzano e de 0,17 para Mogi. Detalhe: a nota máxima neste quesito é de 0,5. E enquanto Suzano apresenta uma perda média de 183 litros por ligação/dia, Mogi atinge 375 litros por ligação/dia.

Ao final, a pesquisa atribuiu a nota máxima de 8,65 para Suzano, e 7,08 para Mogi. Nesta avaliação, a nota máxima seria 10.

Pesquisa e notas

A  pesquisa do Instituto Trata Brasil e consultoria GO Associados é liderada pela cidade de Santos (SP), operada pela Sabesp, com nota 9,92; seguida de Maringá (PR), da Sanepar, nota 9,64; e Uberlândia, no Triângulo Mineiro, operada pelo DMAE, com nota 9,60. Em seguida, aparecem Limeira e Piracicaba (SP),com notas 9,37 e 8,91, respectivamente; Cascavel (PR), com 8,86; e as cidades de São Paulo e São José do Rio Preto, com notas 8,80 e 8,76, respectivamente; antes de Suzano, a cidade campeã da região do Alto Tietê em saneamento.

ÚLTIMAS DE Suzano