PLANO SÃO PAULO

Restaurantes e bares de Mogi discutem abertura até 22h

REGRA Bares, restaurantes e padarias da cidade poderão funcionar até as 22h, com restrições. (Foto: arquivo)
REGRA Bares, restaurantes e padarias da cidade poderão funcionar até as 22h, com restrições. (Foto: arquivo)

O Governo do Estado autorizou o funcionamento de bares e restaurantes até as 22 horas. A medida vale para as cidades que estão há 14 dias na fase 3 – amarela do Plano São Paulo, como é o caso de Mogi das Cruzes. Por aqui, o Sindicato do Comércio Varejista de Mogi das Cruzes e Região (Sincomércio) marcou reunião com representantes da Prefeitura e donos de bares e restaurantes para discutir o decreto que deve ser publicado hoje. A ideia é adequar a legislação da melhor maneira possível para as reivindicações do município.

Mesmo com a nova permissão, os estabelecimentos podem funcionar somente por seis horas no dia. Presidente do Sindicato, Valterli Martinez acredita que isso ainda seja muito pouco, o que pode provocar aglomerações em frente a esses espaços, com a formação de filas de espera.

“Com um número maior de pessoas atendidas, o problema de todo mundo seria resolvido. Teríamos ainda um público menor no local ao mesmo tempo, já que haveria mais tempo ao longo do dia. Eu vou sugerir que cada estabelecimento faça seu horário e apresente na Prefeitura, podendo escolher qual o período vai atuar dentro do que é permitido. Mesmo que o período de seis horas seja pouco, os donos vão poder se adaptar e fazer o horário individualmente”, considera.

Na Capital, o prefeito Bruno Covas (PSDB) autorizou também o atendimento nas calçadas. Entre as principais regras estão a ocupação máxima de 40% da capacidade; distância de 2 metros entre as mesas e de 1,5 metro entre as pessoas; máximo de seis clientes por mesa; atendimento apenas para quem estiver sentado e uso obrigatório de máscaras por clientes e funcionários no estabelecimento (apenas quando estiver sentado em sua mesa, o cliente poderá deixar de utilizar o equipamento).

Martinez revela que essa solicitação também será levada à administração municipal, já que é um desejo dos representantes do setor. O presidente acredita que, com a legislatura seguida à risca, essa seja uma maneira segura de atender aos consumidores, já que estarão ao ar livre e em acordo com as normas de segurança.

“Tudo isso que queremos não é por não respeitar o momento que estamos passando, nós entendemos que estamos passando por uma pandemia. Mas queremos fazer tudo da maneira mais segura possível. Queremos que a flexibilização aconteça, mas de forma regrada e racional. Dentro do comércio, os setores precisam ser vistos de maneira diferente. Por isso é importante estudar cada situação e determinar o que é mais seguro para cada um”, frisa o presidente.

Ele lembra que é importante que essas definições sejam divulgadas o quanto antes, para que os bares e restaurantes estejam preparados para este final de semana, já que no domingo é Dia dos Pais, data em que muitas pessoas podem aproveitar para sair e comemorar.

Antes, esses estabelecimentos tinham permissão para funcionar somente até as 17 horas. Segundo o Governo de São Paulo, as mudanças vieram após uma rigorosa análise do centro de contingência da Covid-19, que constatou que não houve impacto negativo nos indicadores epidemiológicos com a retomada gradual no consumo em restaurantes nas cidades que estão na fase amarela.


Deixe seu comentário