MENU
BUSCAR
VEJA VÍDEO

Polícia esclarece morte de aposentada, em Braz Cubas: namorado matou a vítima dentro de casa

Bruno Francisco dos Santos estava namorando Heloildes Gimenez há 10 meses e usou o cartão da vítima para fazer compras

O Diário Publicado em 03/09/2021 às 19:20Atualizado há 19 dias

Policiais do Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP) de Mogi das Cruzes identificaram e prenderam Bruno Francisco dos Santos como o autor da morte de Heloildes Fernandes Gimenez Tavares, de 64 anos, que foi encontrada já sem vida no último dia 19 de agosto, na casa onde residia, na Avenida Anchieta, no Distrito de Braz Cubas. Os dois estavam namorando há 10 meses.

LEIA TAMBÉM: Madrugada na Praça dos Enfartados tem briga, agressão a idoso e disparo de arma de fogo

Nas redes sociais de Bruno, de 23 anos, há fotografias ao lado da vítima. Os dois começaram a namorar há dez meses, segundo confirmam as investigações e informações encontradas no perfil aberto do acusado do feminicídio e de roubo qualificado, que foi preso pela Polícia Civil de Mogi das Cruzes..

Segundo o SHPP, o "crime foi cometido com crueldade, malvadez, demonstrando a frieza e desumanidade de seu algoz". 

O delegado Rubens José Ângelo conta que os investigadores chegaram até o autor do homicídio e roubo após cruzar informações encontradas nas redes sociais e sobre o uso do cartão bancário de Heloildes na compra de uma jaqueta, realizada em uma loja da região central de Mogi das Cruzes.

Ele teria fugido, mas foi preso nesta sexta-feira (3) e indiciado por homicídio qualificado, consumado, feminicídio e furto qualificado. 

A vítima que nasceu em Araguatins (TO) residia sozinha e foi encontrada com profundos ferimentos na nuca e pescoço, já sem vida, pela filha, Gabriella Gimenez Mello, na casa onde residia, em Braz Cubas. 

Na casa da mãe, Gabriella viu os móveis revirados e a falta do celular e do cartão da pensionista.

Após o juiz Bruno Miano ter expedido mandato de prisão, Bruno fugiu, mas acabou sendo preso e levou os policiais até o local onde estavam o celular e o cartão da idosa.

Durante o relacionamento, já havia indícios da exploração financeira da vítima.

ÚLTIMAS DE Polícia