MENU
BUSCAR
VEJA VÍDEO

Mulher que morreu em tombo de ônibus na Mogi Bertioga estava grávida e deixa quatro filhos

Artesp informa que o veículo não possuía registro e estaria, portanto, operando de forma clandestina. Uma mulher morreu e dezenas de passageiros ficaram feridos

Darwin Valente, Fábio Palodette e Larissa RodriguesPublicado em 07/11/2021 às 15:08Atualizado há 21 dias

A Secretaria de Turismo de Bertioga informou que o micro-ônibus que tombou na rodovia Mogi-Bertioga (SP-098) nas primeiras horas deste domingo (7), deixando uma mulher morta e ao menos 33 feridos, não tinha autorização para prestar serviços de turismo no município. 

Em nota, a Artesp - Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo também destacou que o veículo não possui registro, assim como a empresa proprietária, Juli Will Locadora, não está cadastrada junto à agência reguladora. Estaria, portanto, operando de forma clandestina.

A Artesp acrescenta que "lamenta o acidente e frisa que mantém ações constantes de fiscalização em todo o Estado,  visando coibir tanto o transporte clandestino quanto o irregular, que expõem os usuários a riscos por falta de segurança e ausência de documentação dos veículos e/ou por não honrarem a contratação de seguros".

O micro-ônibus que se envolveu no acidente pertence à Juli Wil Locadora, Transporte e Turismo Ltda, com sede em Guarulhos. O Diário não foi atendido nos números de telefone disponibilizados pela empresa na internet. Via e-mail, a reportagem questionou se o veículo estava com a manutenção em dia ou se já havia apresentado o problema antes e aguarda retorno.

A vítima do tombamento foi identificada pelas autoridades como Angélica Mesquita, de 36 anos. Ela estava grávida e deixa quatro filhos. Após acidente, em uma curva no sentido Litoral, ela morreu ainda no local, segundo informações da Polícia Rodoviária do Estado de São Paulo. O motorista do veículo foi ouvido nesta tarde na Delegacia de Bertioga pela Polícia Civil, que deverá agora investigar o caso. Após grande congestionamento, a pista foi totalmente liberada no início desta tarde. 

Em comunicado, a Prefeitura de Bertioga informou que 33 pessoas que se feriram no acidente deram entrada no hospital municipal. Acrescenta que todos estão recebendo atendimento na unidade, com exceção de um com caso mais grave, que necessitou de trânsferência para o Hospital Irmã Dulce, em Praia Grande.

Pista liberada

O DER informa que a pista da ligação rodoviária Mogi das Cruzes-Bertioga encontra-se totalmente liberada ao tráfego de veículos desde por volta de 13h30, quando o serviço de guincho conseguiu destombar e retirar da pista o micro-ônibus.

A interrupção do tráfego, iniciada por volta de 12 horas, provocou um grande congestionamento nos dois sentidos da rodovia, que teve de ser  totalmente interditada para que o pessoal especializado pudesse retirar o veículo que estava interditando parte da faixa  da rodovia, no sentido Mogi. 

O acidente ocorrido por volta de 5h30 deste domingo (7) teria sido provocado por uma falta de freios do micro-ônibus, que levou seu motorista a se desviar para a faixa contrária e tentar parar o veículo junto a uma defensa lateral de metal ali existente. A velocidade fez com que o veículo acabasse tombando no acostamento da pista oposta, de sentido Mogi das Cruzes, ferindo 33 pessoas e matando uma passageira. 

Segundo informações do DER, o micro-ônibus  vinha de Guarulhos, na Grande São Paulo, com destino a Bertioga.

A maior tragédia

Na noite do dia 8 de junho de 2016, a rodovia Mogi-Bertioga  foi o cenário de uma grande tragédia, quando um ônibus fretado, que conduzia estudantes universitários para São Sebastião, no Litoral Norte, acabou tombando na altura do Km 84 (dois quilômetros abaixo do local onde o micro-ônibus de turismo se acidentou neste domingo (7),  já na descida da Serra do Mar, deixando 18 pessoas mortas e outras 17 feridas, a maioria alunos das duas universidade de Mogi das Cruzes, UMC e UBC.

O ônibus com os estudantes descia a Serra em direção à Baixada Santista, em comboio com três outros veículos e quando se aproximou da divisa entre Mogi das Cruzes e Bertioga, o ônibus ficou descontrolado, bateu em um rochedo da pista contrária, capotou e caiu em uma valeta existente à margem da rodovia.

Foi a maior tragédia já registrada desde a inauguração da rodovia Mogi-Bertioga, ocorrida no dia 13 de maio de 1982.

ÚLTIMAS DE Polícia