A família do produtor cultural Giuliano Ricca pediu à polícia que mantivesse sigilo sobre o resultado da análise do Instituto Médico Legal da ossada encontrada no carro dele, em uma área de mata às margens da rodovia Presidente Dutra, em Santa Isabel, no começo de novembro, mais de seis anos após o desaparecimento do produtor. 

O pedido de sigilo foi divulgado pela Secretaria de Estado Segurança Pública (SSP) à reportagem de O Diário na manhã desta terça-feira (1º). De acordo com a pasta, a solicitação foi para que o resultado fosse divulgado apenas após a finalização do inquérito policial do caso. 

Investigação

O veículo do produtor cultural, que estava desaparecido desde 2014, foi localizado na última segunda-feira, próximo à rodovia Presidente Dutra, em Santa Isabel. 

No dia 19 de outubro de 2014, Giuliano saiu de carro de São Paulo em direção ao Rio de Janeiro. Desde então, ele, que tinha 47 anos na época, nunca mais foi visto. O desaparecimento era acompanhado pela Delegacia de Desaparecidos do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

A ossada encontrada no carro de Giuliano Ricca foi enviada para o Núcleo de Antropologia do Instituto Médico Legal (IML) para exames. Segundo a SSP, os laudos foram finalizados em 25 de novembro e enviados à autoridade policial solicitante.