João Octaviano Machado Neto

Adaptação do limite de velocidade, preços variáveis de pedágio, avisos de velocidade aconselhável para caminhões, alertas sobre congestionamentos previstos para a próxima hora, pavimentos asfálticos que guiam carros e até a circulação de veículos autônomos.

Parte destas descrições já é realidade em alguns dos países mais desenvolvidos. No Brasil, nos perguntamos: como serão as rodovias daqui a 20 anos?

Há décadas, porém, várias nações desenvolvem o conceito de ITS, sigla em inglês para Sistemas Inteligentes de Transporte, conhecidos como rodovias inteligentes, que reúnem governos, empresas de logística e indústria automotiva e visam a melhora da segurança viária com comunicação cooperativa entre todos.

Na década de 90, um dos primeiros programas na Europa foi o Corredor Cooperativo Roterdã-Viena – 1.200 kms com diferentes tecnologias ITS. A mesma lógica se deu no Japão e na Austrália.

O primeiro veículo robótico inteligente, segundo a literatura científica, foi feito na Universidade de Tsukuba, no Japão, em 1977. Calcula-se que esses carros serão industrialmente produzidos para todo o mundo dentro de, talvez, dez anos.

No Brasil, as concessões iniciadas pelo Governo de SP em 1998 são um grande catalizador de ITS. Sob comando da Artesp, empresas concessionárias têm implantado wi-fi gratuito nas estradas, e monitoramento por câmeras. Não à toa, SP tem 18 das 20 melhores rodovias do país.

Entre as estradas do DER, não é diferente. Uma parceria com a Polícia Rodoviária criou em 2019 um sistema de Inteligência Artificial no Estado.

O Governo de SP acaba de realizar uma grande concessão rodoviária, a da Pipa (entre Piracicaba e Panorama), que já inclui algumas inovações, como o pedágio ponto a ponto.

Precisamos, porém, ampliar nossa atuação. O Governo de SP planeja a vinda de novas tecnologias ITS nos futuros contratos de concessão. O desafio é enorme porque é extremamente difícil dizer que tipo de veículo estará nas rodovias no futuro, com qual combustível, qual sinalização e que tipo de comunicação.

Já fazemos gestão e planejamento eficientes para melhorar ainda mais as rodovias de todo o Estado hoje. Planejamos também o futuro próximo.

João Octaviano Machado Neto é engenheiro civil e secretário estadual de Logística e Transportes