Entrar
Perfil
EDITORIAL

Duplicação da rodovia Mogi-Dutra continua inacabada

Prazos das concorrências do DER para a elaboração de projeto e execução transfere a conclusão da obra para o próximo governador do Estado de São Paulo

O Diário
21/01/2022 às 07:15.
Atualizado em 21/01/2022 às 07:35

Ao final do ano passado, Estado anunciou que o projeto do desvio teria enfrentado dificuldades (Eisner Soares)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
EDITORIAL

Duplicação da rodovia Mogi-Dutra continua inacabada

Prazos das concorrências do DER para a elaboração de projeto e execução transfere a conclusão da obra para o próximo governador do Estado de São Paulo

O Diário
21/01/2022 às 07:15.
Atualizado em 21/01/2022 às 07:35

Ao final do ano passado, Estado anunciou que o projeto do desvio teria enfrentado dificuldades (Eisner Soares)

O ano de 2021 ficou para trás, o primeiro mês de 2022 já está no fim e ainda não se tem notícias das obras prometidas para conclusão da duplicação do trecho final da ligação rodoviária Mogi das Cruzes-Via Dutra.

É incrível, mas os trabalhos de implantação de uma nova pista foram simplesmente interrompidos pouco mais de um quilômetro antes do término porque o DER não conseguiu desapropriar  um trecho de 400 metros lineares que permitiriam a conclusão, em grande estilo, de um trabalho que foi reivindicado e esperado por muito tempo pelos moradores de Mogi das Cruzes e cidades vizinhas que se utiliza com frequência da rodovia.

Por  conta de alguns fatores - explicados mas não justificados - o órgão governamental simplesmente abandonou a obra, depois de sinalizar e informar o ponto onde a estrada voltaria a se afunilar, após um longo trecho beneficiado com duas pistas.

Depois de muitas críticas da população e cobranças deste jornal, representantes do DER estiveram na cidade e prometeram levar a duplicação até o fim, por meio de um desvio, no intocado terreno de uma proprietária que, simplesmente, decidiu cobrar pela desapropriação o valor que a Justiça acolheu, mas que o Estado considerou elevado demais.

No final do ano de 2020, a alta cúpula do DER, presente nesta redação, prometeu que os próprios técnicos do órgão ficariam encarregados de realizar o projeto do desvio, que seria construído nos primeiros meses de 2021, também pelo mesmo DER.

O tempo passou e nada disso aconteceu. Quando voltou a ser cobrado, no final do ano passado o Estado anunciou que o projeto do pequeno desvio teria enfrentado dificuldades técnicas tão grandes que exigiram a contratação de uma empresa especializada exclusivamente para mostrar, no papel, o caminho a ser seguido para se contornar a pequena elevação que cercava o intocado terreno situado próximo ao acesso para a cidade de Arujá.

O edital de contratação, no entanto, estabeleceu um prazo  tão grande para a realização do projeto, que só deverá ficar pronto no segundo semestre deste ano.

Projeto concluído,  haverá necessidade de uma nova licitação para se contratar a empresa que ficará encarregada de executar a tão esperada obra. 

Só que antes disso acontecer, já terá terminado o atual governo, surgindo aí  uma grande incógnita sobre como irá se comportar o sucessor de João Doria (PSDB) em relação a essa questão.

E enquanto Mogi é tratada dessa forma pelo governo do Estado de São Paulo, persiste um sepulcral  silêncio de parte dos políticos representantes da cidade, muitos deles já preparando a lábia para pedir os votos dos mogianos nas eleições do próximo ano.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conoscoConteúdo de marcaConteúdo de marca
Copyright © - 2022 - O Diário de MogiÉ proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuído por