Entrar
Perfil
SAÚDE

A difícil e desumana espera por cirurgia e leito

Passada a poeira da eleição, prefeitos e deputados de Mogi e do Alto Tietê estão devendo respostas para as seguidas reclamações de espera por leito e cirurgias

O Diário
05/10/2022 às 15:45.
Atualizado em 05/10/2022 às 15:50

Relato sobre a longa espera foi dado por familiares de Daniel Luiz Teixeira, internado no Hospital Regional de Ferraz (Arquivo Pessoal)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
SAÚDE

A difícil e desumana espera por cirurgia e leito

Passada a poeira da eleição, prefeitos e deputados de Mogi e do Alto Tietê estão devendo respostas para as seguidas reclamações de espera por leito e cirurgias

O Diário
05/10/2022 às 15:45.
Atualizado em 05/10/2022 às 15:50

Relato sobre a longa espera foi dado por familiares de Daniel Luiz Teixeira, internado no Hospital Regional de Ferraz (Arquivo Pessoal)

Desde o episódio de renovação do contrato de prestação de serviços da Santa Casa de Misericórdia, quando a falta de leitos para a transferência de pacientes era o principal argumento da gestão do hospital para ameaçar romper a parceria mantida com a Prefeitura de Mogi das Cruzes, familiares começaram a recorrer, com mais frequência, a este jornal, para protestar sobre algo doloroso a qualquer pai, filho, mãe, neto: a longa espera por leitos e cirurgias - em alguns dos casos, por pessoas já idosas e com outras complicações de saúde.

Esse quadro também se repete em outros serviços hospitalares da região do Alto Tietê, como demonstrou reportagem publicada por O Diário nesta terça-feira (4).

Neste caso, a família do aposentado Daniel Luiz Bezerra, 67 anos, reportou que ele aguarda por uma cirurgia de grande porte para retirada de tumor no reto há 37 dias no Hospital Regional Dr. Osíris Florindo Coelho, em Ferraz de Vasconcelos.

Com a redução dos casos e internações por Covid-19, a rede estadual e municipal já deveria, nesta atual conjuntura, responder mais celeramente a situações como transferências de UPAs para leitos hospitalares. 

Nas redes sociais, internautas fazem pedidos de ajuda desesperadores para solucionar uma situação que, se não for contida, caminha para um desfecho muito ruim.

Uma, duas semanas de espera por uma cirurgia, mesmo que não seja de urgência, impõe ao paciente preocupações sobre a possibilidade de agravar ainda mais o estado clínico e contrair outras doenças e infecções dentro de um hospital, ainda mais se tratando de individuos mais idosos.

O que a repetição desses relatos que, felizmente estão vindo a público, indica é um descontrole extremamente prejudicial. 

Prefeitos, deputados eleitos e até candidatos derrotados, mas ainda no cargo e com capital político, demoram a se articular para defender a população que está sofrendo e temendo pela vida de seus familiares. A região precisa deles para estancar essa fratura na saúde pública regional.

Lembramos estes casos porque, há algumas semanas, esses alertas e reclamações passaram a reproduzir um antigo histórico - a falta de estrutura, insumos, enfim. Algo muito grave está se desenhando a partir desses testemunhos que assustam pela gravidade e insensibilidade, inclusive, de médicos, na hora de fornecer a correta atenção às preocupações e pedidos de informação do paciente e seus familares.

  

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por