Entrar
Perfil
COLORINDO MOGI

A céu aberto, arte valoriza o espaço urbano; falta levar murais para outros bairros

Novos murais em César de Souza, com recurso edital público, inclui Mogi em tendência artística em espaços públicos

O Diário
28/11/2022 às 16:12.
Atualizado em 28/11/2022 às 16:39

Grafite em edifícios residenciais de César de Souza valoriza a paisagem urbana da cidade (Divulgação - Nando Cunha)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
COLORINDO MOGI

A céu aberto, arte valoriza o espaço urbano; falta levar murais para outros bairros

Novos murais em César de Souza, com recurso edital público, inclui Mogi em tendência artística em espaços públicos

O Diário
28/11/2022 às 16:12.
Atualizado em 28/11/2022 às 16:39

Grafite em edifícios residenciais de César de Souza valoriza a paisagem urbana da cidade (Divulgação - Nando Cunha)

Os traços dos artistas Galvani Galo e Nando Cunha estampados em 15 metros de altura de prédios da CDHU de César de Souza levam para as bordas de Mogi das Cruzes, o que já se tem em alguns espaços da região central. O projeto concorre para fortalecer tendência amadurecida em centenas de outras cidades pelo mundo com a popularização da arte de rua, um tipo de expressão artística livre e acessível a todas as pessoas que residem ou passam por murais transformados em enormes telas. A rua vira um museu contemporâneo.

É um movimento com muitas possibilidades de interpretação e usos. Uma das facetas é a valorização e projeção dos artistas que compõem verdadeiras obras-primas e do mobiliário urbano elevado a uma galeria democrática e a céu aberto.

Muros da CPTM e de escolas foram os primeiros a incluir Mogi das Cruzes nesse fenômeno. O diferencial é o gigantismo dessas instalações, que ocupam prédios inteiros. Impossível não admirar.

Alguns pontos de Mogi das Cruzes já começaram, no passado recente, a servir de elo entre o artista e o público, com o reconhecimento bastante favorável da opinião pública e vizinhança. 

É um passo adiante na difusão desse mercado de produção artística que marca ponto porque são pinturas feitas sem o consentimento dos proprietários dos imóveis e em condições de segurança.

Em Mogi das Cruzes mesmo já tivemos um dramático acidente fatal com um jovem que estava pintando um prédio na região central.

No caso de César de Souza, outro feito reside na conquista do edital governamental do projeto Quebrad’Arte, inscrito no programa Arte Urbana SP, promovido pelo Governo do Estado, e o apoio da Secretaria de Cultura e Turismo,

Mogi das Cruzes foi contemplada no chamamento público realizado pela Associação Paulista dos Amigos da Arte (APAA) ao lado de outras 100 ações em todo estado de São Paulo.

Tão forte quanto a mudança do cenário urbana (tão degradado, cinza e hostil em tantas partes do município0, são o apoio e o reconhecimento dado aos artistas e coletivos ligados a um modelo de arte ainda visto por muitos com desdém por pulsar nas raias da marginalidade, em muitos casos.

Essa cultura artística muito pode contribuir com a descoberta de talentos artísticos e a movimentação de um mercado econômico e social com especial dedicação aos jovens. Muitos ainda não enxergam isso, infelizmente - porém, defendemos que é preciso delimitar o que é vandalismo e o que fere a legislação. Ainda que embale muita discussão, pintar muros alheios sem autorização é crime.

Esses murais, pelo mundo todo, têm construído pontes entre artistas e adeptos do grafite e o público. Não entender isso é seguir em um caminho que marginaliza e distancia ainda mais os jovens da construção diária do conceito de sociedade, formada pelo conjunto de pessoas que vive nas cidades, desfruta, interage e desenha, ao mesmo tempo, o espaço público.

A chegada desses painéis a César de Souza também lança o desafio de se promover outras ações desse tipo nas bordas da cidade - repintar, por exemplo, os muros já esmaecidos de escolas e outros espaços de grande visibilidade nos bairros em um calendário fixo seria algo interessante para a composição da paisagem. Eis um desafio para os gestores públicos.

A arte a céu aberto em César de Souza demonstra quanto a cidade pode melhorar o seu visual com essas telas enormes, comumente mal usadas ou sem qualquer pintura. 

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2023É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por