MENU
BUSCAR
ARTIGO

Venda da Caixa desassiste os paulistas

"Além das condições de trabalho degradantes, estamos vivenciando um desmonte em áreas fundamentais para o equilíbrio financeiro do banco"

O Diário Publicado em 04/01/2022 às 08:32Atualizado há 21 dias

Não há quem duvide da importância da Caixa Econômica Federal para a execução de políticas sociais no País. O banco público é responsável pelo pagamento de benefícios sociais e investe em programas de habitação, obras de saneamento e infraestrutura. Somente em São Paulo, por meio do Minha Casa, Minha Vida, a Caixa apoiou a construção de mais de 240 mil unidades habitacionais ao longo dos últimos anos, em investimento de aproximadamente R$ 14,4 bilhões.

Cientes do papel fundamental dessa instituição para o País, precisamos estar atentos aos ataques recorrentes que a empresa pública tem sofrido. Além das condições de trabalho cada vez mais degradantes, com enorme sobrecarga que afeta a saúde física e mental dos trabalhadores da Caixa, estamos vivenciando desmonte nunca visto em áreas fundamentais para o equilíbrio financeiro do banco. Parte das operações mais lucrativas, como a Caixa Seguridade, estão sendo vendidas. O próximo passo seria a venda da Caixa DTVM — gestora de ativos cuja criação foi recém-aprovada pelo Banco Central, que passaria a administrar os fundos de investimento que hoje são geridos diretamente pela Caixa e que a direção da empresa pretende oferecer ao mercado nos próximos meses.

Esse processo de desmonte das subsidiárias, somado ao enfraquecimento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), com a permissão de retiradas fora da regra, enfraquece a implementação de diversas políticas públicas estruturantes para o País.

Assim, é preciso que a sociedade se mobilize contra esse movimento. Vender as subsidiárias é sentença de morte para o banco público. O que o governo de Jair Bolsonaro pretende – auxiliado pela alta gestão da Caixa e de seu presidente, Pedro Guimarães – é vender os melhores ativos, as operações lucrativas do banco, que subsidiam toda a estrutura social da instituição. Essa é a política que eles querem, a que ignora milhares de brasileiros que hoje vivem em situação de extrema pobreza.

No caso da Caixa tem sido assim: Pedro Guimarães anunciou recentemente o que chamou de maior lucro da história do banco, mas não citou que mais da metade desse valor foi obtida com a venda de seus ativos (Banco Pan e Caixa Seguridade). 

Assim, eles garantem lucro presente, mas comprometem o fluxo de caixa do banco nos próximos anos. Estamos vivendo momento-chave para o nosso futuro. Se esse desmonte ocorrer, estarão em risco não só os trabalhadores da Caixa, mas principalmente o futuro de milhares de brasileiros que dependem do banco público para sobreviver.

  Leonardo dos Santos Quadros é presidente da Apcef-SP

ÚLTIMAS DE Colunistas