BALANÇO

Novo coronavírus já contaminou 1.124 funcionários da Saúde de Mogi

MEDIDA Hospital de Campanha de Mogi das Cruzes deixou de receber pacientes com Covid-19 desde esta sexta-feira. (Foto: arquivo)
SERVIÇO Profissionais de saúde de Mogi das Cruzes também podem procurar atendimento no Hospital Municipal em Braz Cubas. (Foto: Eisner Soares)

Desde a abrupta chegada da pandemia do SARS-CoV-2, o novo coronavírus, ao território até a tarde desta quarta-feira (16), Mogi das Cruzes totalizava 1.124 notificações confirmadas de Covid-19 apenas entre profissionais da área da saúde atuantes na linha de frente do combate à infecção. O montante inclui médicos, enfermeiros, técnicos e profissionais administrativos das instituições do município e até de outras cidades, mas que residem em Mogi. A grande maioria já está recuperada e retornou às atividades presenciais, porém, no período foram registrados três óbitos na categoria, sendo um socorrista do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e dois médicos. As informações foram fornecidas pela Secretaria Municipal de Saúde.

A pasta admite não ter o número exato de ocorrências entre os profissionais que residem em Mogi, e que o volume de contaminados pode ser maior. Isso porque dados relacionados à pandemia são computados pelas cidades em sistemas diferentes, incluindo o e-SUS, que não informa a profissão do paciente, segundo justificado. A reportagem aguarda retorno da Secretaria de Estado da Saúde sobre as estatísticas.

Os dados apontam que dos 7.852 pacientes contaminados no município com a Covid-19 até a tarde desta quarta-feira (leia mais abaixo), 14,3% estavam atuando em serviços de saúde. Mostram também que esta proporção permanece subindo ligeiramente ao longo dos meses: em última matéria publicada sobre o tema por O Diário, em 24 de junho, a taxa era de 11,2%, quando a cidade somava 203 médicos e enfermeiros infectados entre os 1.810 pacientes que haviam testado positivo para a doença até aquela data.

O aumento no período representa salto de 18% no número de profissionais de saúde infectados e evidencia que a categoria continua exposta aos males do novo vírus. As mortes, porém, se estabilizaram: apenas em abril, Mogi lamentou os óbitos do enfermeiro Cicero Romão, de 51 anos, que atuava no Samu e, há mais de duas décadas na Santa Casa, e do médico Edson Yukinari Takeda, de 55. Nos cinco meses seguintes, houve o acréscimo de mais uma vítima, o cardiologista Ricardo Harada, 51, conforme informado pela secretaria.

Já reunidas, as 10 cidades da região confirmaram ao menos 13 óbitos de profissionais da saúde desde o início da pandemia, segundo as prefeituras, sendo 4 em Santa Isabel, 3 em Suzano, 2 em Ferraz e 1 em Arujá, além de 3 em Mogi.

Desde março, parte da categoria reivindica melhores condições de trabalho dentro dos hospitais – parcialmente atendidas. Um dos pedidos que segue sem respostas é de um ofício encaminhado à Prefeitura de Mogi pelo Sindicato dos Enfermeiros, que solicita disponibilização de locais para que profissionais de saúde possam dormir, sem voltar para casa e enfrentar o risco de contaminar familiares vulneráveis.

Em Mogi, os profissionais de saúde têm a opção de procurar por atendimento na referência para casos suspeitos de Covid-19, que funciona no Hospital Municipal, ou na própria instituição em que prestam serviço, sendo que houve por parte da Secretaria de Saúde, a disponibilização de kits de testes rápidos para instituições com a finalidade específica de atender casos sintomáticos entre os funcionários.

Balanço

Cinco dos 10 municípios da região notificaram nesta quarta-feira (16) mais 15 óbitos por Covid-19. A maioria destas vítimas residia em Itaquaquecetuba e Suzano, que sozinhas registraram mais nove e três mortes cada, respectivamente. Arujá, Biritiba Mirim e Mogi tiveram mais uma vítima cada.

Com o acréscimo, a região passa a totalizar 1.320 vidas perdidas para o vírus notificadas.

Em paralelo, nesta quarta-feira, os municípios confirmaram mais 312 casos da doença, totalizando 23.380 contágios desde março, sendo que 18.135 pacientes já foram classificados como recuperados pelas prefeituras, que apontam índice de 77,5 – o maior até agora. Já a taxa de letalidade era de 5,6%.

Nacional

O Brasil chegou a 134.106 mortes em razão da pandemia do novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, foram registrados 987 óbitos. A soma representa um aumento de 0,7% sobre esta terça-feira (15), quando os números traziam um total de 133.119 pessoas que perderam a vida para a Covid-19. Ainda há 2.428 mortes em investigação.

Os dados estão no balanço diário do Ministério da Saúde divulgado na noite desta quarta-feira (16).

Ainda conforme a atualização, foram acrescidas às estatísticas 36.820 novos diagnósticos de Covid-19, totalizando 4.419.083 pessoas infectadas desde o início da pandemia. O resultado marca um acréscimo de 0,8% em relação a ontem, quando o painel trazia 4.382.263 casos acumulados.

O sistema do Ministério da Saúde contabilizou ainda 564.665 pacientes em acompanhamento. Do total de infectados, 84,2% dos pacientes se recuperaram da Covid-19, ou seja, 3.720.312 pessoas.

Após seis meses, parque aquático já pode reabrir

Os parques temáticos do Estado de São Paulo, com atividades ao ar livre, poderão reabrir gradualmente as portas ao público a partir da próxima terça-feira, dia 23, conforme anunciado nesta quarta-feira (16) pelo Governo do Estado de São Paulo. A medida é valida apenas para os equipamentos que estejam instalados em regiões que estão na Fase 3 – amarela do Plano São Paulo há pelo menos 28 dias consecutivos, como o Alto Tietê.

Com isso complexos da região como o Magic City e o Blue Beach Thermas Park, ambos localizados em Suzano, poderão voltar a receber visitantes, após seis meses fechados.

De acordo com o estado, os parques poderão operar apenas pelo período de oito horas por dia, com limitação de 40% de sua capacidade de público. Todos os funcionários do parque e o público terão que fazer uso obrigatório de máscara. Os ingressos precisarão ser vendidos antecipadamente e haverá controle de acesso. Haverá ainda medição de temperatura. Cabe ressaltar que a fiscalização das medidas ficará a cargo de cada prefeitura.

Casa de repouso em Mogi limita visitas

No último mês, quatro idosos da casa de repouso São Vicente de Paulo de Mogi das Cruzes faleceram após contraírem a Covid-19. Desde então, o espaço precisou ser parcialmente interditado pela Vigilância Sanitária, que informou que tomou a atitude por conta de adequações estruturais que precisam ser feitas na unidade. Enquanto isso, o local não pode receber novos moradores e atende atualmente 17 idosos. (leia mais).


Deixe seu comentário