Apesar de ter anunciado no último dia 11 o encerramento das atividades em 361 unidades – entre agências, postos de atendimento e escritórios – o Banco do Brasil não informou ainda todas as cidades onde isso deve acontecer. Com a base responsável por Mogi das Cruzes, Poá, Suzano, Biritiba Mirim e Salesópolis o Sindicato dos Bancários de Mogi e Região afirmou não ter conhecimento sobre possíveis fechamentos, mas, ainda assim, deverá divulgar amanhã (21) uma carta aberta à população sobre essa reestruturação da instituição financeira.

“Por enquanto não estamos sabendo de fechamentos por aqui, existem rumores, mas nada de concretos nos foi informado. Eles deram esses números de encerramento, mas sem explicar como vai ser a reestruturação. O Banco do Brasil também está oferecendo o Plano de Demissão Voluntária, mas se depender do Sindicato nenhum colaborador vai aderir essa proposta e sair”, disse o presidente da entidade, Clayton Teixeira.

O sindicalista diz ainda que não há sentido na argumentação do banco, que diz que está fechando as portas para a contenção de despesas. “É uma instituição que lucra bilhões e bilhões. Como podem falar em contenção se nunca pararam de lucrar?”, questiona.

Caso seja anunciado o encerramento de atividades em alguma unidade da Região, Teixeira garante que o Sindicato fará de tudo para que isso não seja concretizado.

Fechamento

A reestruturação prometida pelo Banco do Brasil ainda para este primeiro semestre deverá resultar em 5 mil demissões. A instituição criou ainda um Programa de Adequação de Quadros (PAQ) e m Programa de Desligamento Extraordinário (PDE).

Segundo o banco, a reorganização prevê ganhos de eficiência e otimização em 870 pontos de atendimento do País, com a desativação de 361 unidades (112 agências, sete escritórios e 242 postos de atendimento), a conversão de 243 agências em postos de atendimento e oito postos de atendimento em agências, transformação de 145 unidades de negócios em Lojas BB, sem guichês de caixa, relocalização compartilhada de 85 unidades de negócios e criação de 28 unidades de negócios (14 agências especializadas agro e 14 escritórios leve digital).