Entrar
Perfil
NOVA CHANCE

Frente Parlamentar em Defesa da Mulher apresenta proposta para reeducar agressores

Projeto de lei apresentado na Câmara de Mogi, propõe a criação de um programa para conscientizar e tratar os homens que praticam violência contra mulheres

Diário
02/04/2021 às 16:14.
Atualizado em 03/04/2021 às 14:38
Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
NOVA CHANCE

Frente Parlamentar em Defesa da Mulher apresenta proposta para reeducar agressores

Projeto de lei apresentado na Câmara de Mogi, propõe a criação de um programa para conscientizar e tratar os homens que praticam violência contra mulheres

Diário
02/04/2021 às 16:14.
Atualizado em 03/04/2021 às 14:38

A Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos da Mulher, constituída na Câmara Municipal de Mogi das Cruzes, pelas vereadoras Fernanda Moreno (MDB), Inês Paz (PSOL) e Maria Luiza Fernandes, a Malu Fernandes (SD), apresentou nesta semana, o projeto de lei "Tempo de Despertar", que propõe a criação de um programa para "conscientizar e tratar agressores

A matéria foi deliberada em plenário durante a sessão de quarta-feira (31/03) e encaminhada para análise das comissões permanentes da Casa. Só depois desse processo o tema entrará na pauta de votação.  

A vereadora Fernanda Moreno disse que "trata-se, na verdade, de uma medida diferenciada, uma política pública que busca o despertar do agressor para uma nova vida, para redescobrir o respeito ao próximo e, por consequência, passar a tratar esposa e filhos com mais respeito e cuidado".

Ela observa que esse mesmo programa, implementado em 2015 em Taboão da Serra, pela promotora de Justiça, Juliana Mansur e que conseguiu reduzir de 65% para 2% o índice de reincidência da violência doméstica.  O projeto virou lei municipal, obrigando o homem que agride uma mulher na cidade a participar de um curso.

Durante o processo são realizados oito encontros, de duas horas e meia de duração, onde são discutidos temas como machismo e direitos humanos, com a intenção de fazer os autores de agressões contra as mulheres refletirem sobre a violência. Na Assembleia Legislativa de São Paulo também está em trâmite um projeto parecido.

 "Um dos grandes problemas de lidar com a Lei Maria da Penha ou com os homens que agridem as mulheres é o sentimento de impunidade. A impunidade é uma grande vilã, legítima e multiplica a violência contra a mulher. Mas, a partir desse projeto, acaba ou diminui essa impunidade, forçando os homens a participar do trabalho. Esse trabalho não é uma terapia, é uma medida socioeducativa que provoca mudanças, crises e uma reflexão muito profunda sobre o comportamento desses homens", complementou Inês Paz.

Na opinião de Malu Fernandes, "o programa vai ajudar a restabelecer os vínculos familiares. Os agressores começam a perceber, por exemplo, pequenos atos de ofensa que são violência também. Os filhos, com isso, crescem num bom exemplo”.

  

  

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conoscoConteúdo de marcaConteúdo de marca
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por