Após a publicação de uma reportagem de O Diário, na tarde deste sábado, dia 9, a Prefeitura de Mogi, que vinha sendo sendo procurada desde sexta-feira, se manifestou sobre as polêmicas que envolvem o novo secretário-adjunto de Esportes, Reinaldo Barreiros. Ele será mantido no cargo, seguindo o que foi anunciado na última quarta-feira, dia 6.

Reinaldo, que segundo o UOL é um dos 12 denunciados pelo esquema de rachadinha no Núcleo de Avaliação Estratégica (NAE) da Alesp,"se reuniu com o prefeito Caio Cunha, após o chefe do Executivo ter solicitado esclarecimentos sobre as citações envolvendo o nome de Barreiros".

Segundo a nota oficial, o adjunto informou "que não há óbices em nenhuma das atividades que exerceu" e que a denúncia sobre sua atuação junto ao NAE foi verificada pela Corregedoria da Alesp, "que apurou os fatos e não identificou nenhuma irregularidade".

Sobre as manifestações feitas em rede social em 2018, e que agora são alvo de críticas nas redes sociais (imagens em que aparece com armas na mão e com mensagens favoráveis à ditadura militar, com falas semelhantes as do presidente Jair Bolsonaro), Barreiros diz estar arrependido.

A administração pública informa que ele "retirou os posts inflamados que fez na época, por considerar inoportunos e que estão em desacordo com sua postura atual mais madura".

"Entendo que fui inflamado por um momento de euforia política, mas arrependo-me da postura adotada na época", explicou o gestor, que alterou o acesso de seu Instagram de “público” para “privado” após o compartilhamento de suas fotos.

Caio Cunha reiterou a posição de não ter em seu primeiro escalão "profissionais que tenham condenações, de qualquer natureza". E que durante a análise da certidão negativa de Barreiros, "nada consta".

"Respeito a diversidade de opinião e pensamento de todos, mas abomino qualquer postura que apregoe o ódio, radicalismo e feche as portas para o diálogo" afirma o prefeito, reforçando que não admitirá tal postura em seu governo.

Grupos como a Frente Popular pela Cultura de Mogi estão se organizando para publicar notas de repúdio à nomeação. Leia mais.