MÚSICA

Mateus Sartori canta a saudade e a liberdade em novo álbum

RETORNO À MÚSICA Mateus Sartori cantará todas as canções do novo disco em vídeos inéditos que serão exibidos no Centro Esportivo do Bunkyo de Mogi das Cruzes. (Foto: divulgação)
RETORNO À MÚSICA Mateus Sartori cantará todas as canções do novo disco em vídeos inéditos que serão exibidos no Centro Esportivo do Bunkyo de Mogi das Cruzes. (Foto: divulgação)

Mateus Sartori retorna de um hiato de sete anos como cantor, agora com uma “sonoridade diferente de todas as outras”. No sexto disco de estúdio, que estreia na próxima quinta-feira, dia 24, em cine show drive-in no Centro Esportivo do Bunkyo de Mogi das Cruzes, ele se reinventa musicalmente. Em 14 faixas, canta, entre outros temas, a importância da arte em sua trajetória.

O novo álbum funciona como um “grito de alforria” e traz um artista leve e à vontade, ansioso para retornar aos palcos, onde já esteve ao lado de Jorge Vercillo, Jair Rodrigues, Ivan Lins, Guinga, Renato Brás, Flávio Venturini e outros grandes nomes da MPB.

Em respeito à segurança de toda a banda, o show de estreia não será ao vivo. Mas será inédito. Quem for ao Bunkyo, a partir das 20 horas, assistirá a vídeos das gravações das canções, ao processo de confecção do CD físico e mais: conteúdos extras, como canções exclusivas e depoimentos que interagem com a plateia.

O ingresso para assistir, de dentro do carro, custa R$ 30,00, vale para até quatro pessoas e inclui uma cópia de ‘Na Volta Que o Mundo Dá’. Não haverá sonorização ambiente no local, ficando a transmissão do som via rádio FM. Essas e todas as outras informações estão disponíveis na página do evento em www.eventbrite.com.

“Moderna e saudosista”

Dois singles já foram lançados: a faixa-título, de Paulo Cesar Pinheiro e Vicente Barreto e também ‘Carrosel do Destino’, assinada por Antonio Nobrega e Bráulio Tavares. As demais composições entrarão nas plataformas digitais após o show, no dia 25. Entre trabalhos temáticos e originais, a trajetória de Sartori como cantor o preparou para este momento, definido pelo próprio como tempo de “sonoridade mais moderna e saudosista”.

O último termo, porém, está implícito em algumas composições. Uma das “saudades” que podem ser conferidas pelo ouvinte a cada faixa é a nostalgia das apresentações como músico, já que o trabalho como gestor público, na Secretaria de Cultura e Turismo de Mogi, o afastou da carreira artística.

Apesar disso, Sartori nunca esteve completamente afastado da criação artística. Em 2017, incentivado pelo violonista Bruno Conde, começou a planejar o retorno, rascunhando as novas músicas, que funcionam como um depoimento íntimo do cantor, embora não fosse essa a intenção inicial.

O repertório trata a arte como um “estado de liberdade” e oferece um olhar saudosista sobre o passado, mas o autor garante que a seleção das faixas foi natural. “Quando menos percebi as canções falavam de mim e de alguns sentimentos atuais”, diz ele.

Com produção e arranjos de Guilherme Ribeiro, ‘Na Volta Que o Mundo Dá’ foi gravado em São Paulo, no Estúdio Da Pá Virada, e contou com o piano rhodes, teclados e acordeom do próprio Guilherme Ribeiro, violão e guitalele de Bruno Conde, o baixo de Igor Pimenta, a guitarra de Conrado Goys e as baterias de Priscila Brigante e Thiago Rabello, este último responsável pela gravação e mixagem do álbum. Todos juntos, numa mesma sala, gravando simultaneamente com registros em vídeo de Dani Gurgel. Sim, exatamente os vídeos que serão apresentados no show drive-in.


Deixe seu comentário