Sem fazer alarde e nem anunciar o fato oficialmente, o prefeito eleito Caio Cunha (PODE) e um grupo de assessores mais diretamente ligados à estrutura de funcionamento da Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes estão preparando uma reforma administrativa que, mesmo sendo feita sem atropelos, poderá estar concluída durante os primeiros 100 dias do futuro governo. O trabalho tem como base a modernização de todo setor operacional da Prefeitura mogiana, com especial atenção para a estrutura hierárquica das diferentes secretarias que auxiliam diretamente o prefeito na administração da cidade. É simples entender a necessidade de se promover tais mudanças. Nos últimos anos dos governos de Marco Bertaiolli (PSD) e Marcus Melo (PSDB), o funcionamento dos vários setores da Prefeitura tem passado por mudanças muito radicais, resultantes, principalmente, do processo acentuado de informatização que tornaram obsoletos alguns cargose funções do organograma administrativo municipal. Isso afeta diretamente o expediente de cada setor e exige alterações até radicais para ajustar cada secretaria às condições atuais de trabalho e, mais que isso, ajustar, um a um ao viés de governo digital que o prefeito eleito Caio Cunha traz em seu currículo. Ele sempre contou com a tecnologia da informação como uma de suas principais aliadas em sua ainda incipiente carreira política. 

Embora tenha dito que, em determinadas situações, como na campanha eleitoral passada, a presença física foi por demais importante, é praticamente certo que Caio deverá imprimir uma política claramente voltada para a progressiva eliminação dos papéis, fonte inesgotável de burocracia  e mola propulsora das dificuldades de agilização da administração. Caio já foi informado, nesta fase de transição, sobre a disponibilidade de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social  (BNDES) especialmente para deixar a máquina administrativa muncicipal totalmente digitalizada. A ideia é fazer tudo por etapas, sem necessidade de correria, mas tendo como meta a conclusão de todo o trabalho nos primeiros 100 dias de governo. Caio sabe que precisará de um governo ágil para atender às expectativas de seus eleitores, ainda em lua de mel com o eleito. Uma situação que não será eterna. Logo começarão as cobranças e a administração terá de corresponder com a eficiência prometida em campanha. A cômoda posição de estilingue está chegando ao fim e, em breve, o governo vai virar vidraça. E precisará estar preparado para as pedradas.

Grande repercussão

Seja em razão do período de poucas notícias, ou pela gravidade da medida, o certo é que repercutiu em praticamente todo o País a decisão do município de Mogi e de outros do litoral paulista de não aderir ao retorno à fase vermelha da Covid-19, determinada pelo governo estadual  para vigorar nos dias subsequentes ao Natal e ao Ano Novo. A medida implicaria na volta à fase mais aguda da quarentena com graves restrições ao funcionamento de shoppings e do comércio em geral, além de outros setores da vida em comunidade. Ainda não se sabe o que poderá advir da desobediência explícita adotada por Mogi e outras cidades. Afinal, a fase vermelha do réveillon ainda está por vir.

Sem "toma lá da cá"

Conhecedor dos meandros da política praticada pelos vereadores da Câmara Municipal de Mogi, o prefeito eleito Caio Cunha tem buscado um maior diálogo e entrosamento com os atuais e novos ocupantes dos cargos, durante a sua administração. O futuro chefe do Executivo tem buscado uma aproximação, mas de maneira a impedir que o “toma lá, dá cá”, se torne a base das negociações futuras  com o Legislativo. Desde antes de sua eleição, o vereador tem procurado mostrar que é possível manter um bom relacionamento com a Câmara, desde que o bem-estar da cidade seja colocado como o polo central dos interesses entre vereadores e prefeito. Difícil, mas não impossível. 

De volta para casa

Após permanecer internado por 12 dias no Hospital ViValle, em São José dos Campos, o prefeito eleito de Guararema, arquiteto José Luiz Eroles Freire, que testou positivo para Covid-19, retornou para sua casa, às vésperas do Natal, dia 23. Logo que obteve alta médica, o prefeito eleito postou em uma rede social:

“Hoje venho aqui agradecer as orações e os pensamentos positivos de todos, dizer que recebi um grande presente de Natal: tive alta médica do hospital hoje. Ainda estou em tratamento  e repouso em casa. Aproveito para desejar a todos vocês e aos seus familiares um Natal de muita paz, saúde e união. Em breve, estarei ao lado de todos vocês”, prometeu o prefeito, que espera estar em plena forma para a posse, no dia 1º.