Atual zagueiro do Atlético de Madrid, terceiro clube mais vitorioso do futebol espanhol, e com recentes passagens na Seleção Brasileira, o jogador Felipe Augusto de Almeida Monteiro tem planos para incentivar a prática esportiva e a carreira de jovens atletas de Mogi das Cruzes – cidade onde deu os pontapés iniciais de sua carreira, com lances no tradicional União FC.

Em entrevista, o jogador relembra o início de sua formação nas quadras de futebol society durante a infância e diz enxergar Mogi como “importante polo revelador de talentos”. O futebolista prepara a abertura de uma escola de F7, ‘futebol society’, no bairro do Cocuera, em parceria com o time mogiano Galo de Ouro. “Sei como é difícil ter essa oportunidade de decolar no esporte, por isso queremos ajudar a criar chances para as crianças”, comenta ele. (leia mais ao lado) Em parceria com os sócios Alexandre Moraes dos Passos, o ‘Xandy’, artilheiro com quem jogou lado a lado no União, e Antonio Carlos Monteiro, o zagueiro vai inaugurar para 2021 a “Escolinha Galo de Ouro de Futebol 7”. O projeto focará na formação de jovens atletas, de 5 a 15 anos de idade.

Mesmo morando na Europa, a realização do projeto ficou mais fácil pelo bom relacionamento que guarda até hoje com amigos da cidade. Também não faltam lembranças de Mogi. Nascido na capital paulista, ele chegou em Mogi aos 10 anos. Foi por aqui que deu os primeiros passos da carreira. Carrega memórias de César de Souza, onde morou. “Mas, há anos era tudo mato, não tinha muita coisa na cidade. Hoje você olha e vê como a cidade cresceu”, lembra.

“Tenho essa memória antiga de ir para a rua, andar no morro com os amigos, empinar pipa e andar de skate, coisas de criança”, comenta. Treinou no ‘Paulista’, no distrito. Também ia no clube do Socorro, “mas quando fiquei mais velho, com 16 a 18 anos, comecei a disputar a várzea de Mogi”, lembra.

A trajetória dele é marcada por momentos inusitados e também dificuldades. Ele compartilha um exemplo: “Não tive a oportunidade de treinar desde criança, mas sempre busquei crescer no esporte. Aos 18 anos eu falei ‘desisto’, foi quando resolvei deixar o futebol de lado, comecei a trabalhar com minha sogra, fiz compras de roupas para começar a vender e pensar no futuro, mas foi nesta época que fui chamado para o União, em 2009”, lembra ele.

“Disputei sub-20, depois fui chamado para o time profissional”, conta Felipe. Mas o campeonato acabou e o sonho do futebol parecia voltar a se distanciar, porém, segundo narra ele, um amigo, o ajudou a dar uma reviravolta. Ele foi convidado a defender o Mogi das Cruzes na disputa da quarta divisão do Campeonato Paulista. O jogador aceitou o convite, contudo, precavendo-se contra um novo desemprego no futebol, produziu um DVD com gravações de suas jogadas.

Ao fim do campeonato com o Mogi, a produção, por intermeio do amigo citado, chegou às mãos do técnico Marcelo Veiga, à época, no Bragantino, que pediu sua contratação. Ele defendeu o time em 33 partidas no Brasileirão Série B de 2011, além de uma partida no Campeonato Paulista no mesmo ano “Foi nesse ano que fiz meu primeiro contrato e comecei a receber um salário. No ano seguinte cheguei a titular. Foi quando comecei a me destacar. Depois disso o Corinthians veio atrás de uma contratação. Foi dali que tudo deu certo. Fiquei até 2016 no clube, sem seguida fui para o Porto, em Portugal, e hoje estou no Atlético de Madrid, graças a Deus estou realizado e penso em vários objetivos ainda”, comemora.

Um exemplo é a escola que abrirá em Mogi. Os anos seguintes também foram positivos. Em março dede 2016 foi convocado pelo técnico Dunga, e estreou na Seleção Brasileira, para o jogo contra o Paraguai, válido pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. Já em 2019, o Porto confirmou a venda de Felipe ao Atlético de Madrid por 20 milhões de euros. Em julho foi anunciado oficialmente como novo jogador dos Colchoneros, assinando por três anos com equipe de Madrid.

“Quando eu pensei em desistir, aos meus 19 anos, já pensava em um plano B. A mensagem que deixo é: acredite em si mesmo, porém não se esqueça de ter uma segunda opção, para não se frustrar. Você pode sonhar com futebol, mas também fazer sucesso em outro esporte ou uma empresa, enquanto isso, dê o melhor de si”, acrescenta.

 

Parceria

Atualmente, o Galo de Ouro, fundado em 2016 e desde 2018 na principal divisão paulista, é um clube profissional da modalidade, com sede na cidade mogiana, e representa a região em todos os principais campeonatos disputados no Brasil.

As futuras equipes, formadas pelos alunos da escolinha, que será aberta pelo clube, disputarão campeonatos oficiais. A quadras do Galo de Ouro F7 ficarão na estrutura da Relva Sports, no bairro de Cocuera, em Mogi. Após passar por ampla reforma e reestruturação, o novo espaço conta com uma quadra de tamanho oficial de Futebol 7, dois vestiários, bar, churrasqueira e sanitários.

“O Galo de Ouro já é uma referência na cidade, então o Futebol 7 é uma febre. Queremos ter uma estrutura legal para atrair crianças e jovens que possam, no futuro, fazer parte da equipe principal do Galo de Ouro ou seguir a carreira no futebol Brasil afora. Esperamos formar não só atletas, mas também cidadãos, contando com professores qualificados, metodologia diferenciada, totalmente voltada para o Futebol 7, e disputando campeonatos no mais alto nível”, explicou Alexandre Moraes dos Passos, o Xandy (foto), sócio e idealizador do projeto ao lado de Felipe.

Informações através do escolinhagalodeourofut7@ gmail.com e WhatsApp: (11) 93081-5914