INFORMAÇÃO

Em busca de uma solução para a av. Miguel Gemma

Prefeito recomenda nova sondagem no solo da via avariada

O prefeito Marcus Melo (PSDB) determinou a secretários e técnicos ligados aos setores de Obras e Serviços Urbanos da cidade que procedam a uma sondagem de solo junto à avenida Miguel Gemma, no bairro do Socorro, para buscar uma solução de custo menos elevado que possa resolver os problemas que se acumulam no início da via há mais de uma década. Os buracos, ondulações, causados, principalmente, por deficiências no sistema de drenagem daquele trecho da avenida têm sido causadores de sérias dificuldades para motoristas que por ali trafegam e motivos de críticas da comunidade que não consegue entender a demora na solução de tais falhas. Ao acionar os técnicos municipais, o prefeito tenta encontrar uma alternativa que esteja dentro das condições econômico-financeiras atuais da Prefeitura. Afinal, um levantamento feito tempos atrás projetou a necessidade de pelo menos R$ 20 milhões para se efetuar toda a troca de solo do espaço onde está concentrada a maior parte das deficiências na pista, valor que estaria fora das atuais condições dos cofres municipais. Além da sondagem do solo a ser feita pela Prefeitura, Melo também poderá contar com a ajuda da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Mogi das Cruzes, acionada tempos atrás para sugerir alternativas para aquele caso. Os problemas na avenida Miguel Gemma são antigos e tiveram início durante a administração do prefeito Junji Abe (MDB), quando uma empreiteira de Suzano foi contratada pela realizar a obra de recuperação do trecho inicial, sob a supervisão direta do então secretário todo-poderoso à época, Aroldo Saraiva. Depois que a emenda constatou-se muito pior que o soneto, foi tornado público que a obra sequer projeto tinha e que a empreiteira atuava conforme as ordens do secretário. Sem um sistema adequado de drenagem das águas pluviais, o asfalto logo passou a sofrer os efeitos das chuvas e tornou-se esburacado e cheio de ondulações e outros problemas. Desde então, não se viu qualquer iniciativa para recuperar plenamente a obra.

Fechado

A loja do Veran Supermercados da rua Ipiranga não reabriu, no início desta semana. Os clientes que foram até lá encontraram faixas informando que o local havia encerrado suas atividades, em definitivo. Os avisos ainda tentavam tranquilizar a clientela dizendo as outras lojas do grupo continuam de portas abertas. Uma na rua Coronel Cardoso de Siqueira e outra na avenida Francisco Rodrigues Filho, no bairro do Mogilar.

Nova creche

Com vagas para 200 crianças, será entregue, nesta sexta-feira, a creche do bairro do Botujuru, que terá o nome de Attilio Berta, em homenagem ao padre católico falecido aos 86 anos, em 2017, responsável por inúmeras obras destinadas a pessoas em estado de vulnerabilidade social na cidade. A escola que custou R$ 2,355 milhões e será administrada pela Associação Beneficente Novo Horizonte, é a oitava de um total de 16 que o prefeito Melo vai entregar até o prazo final da lei eleitoral em vigor.

Tratamento

O médico e prefeito de Itajaí, em Santa Catarina, Volnei Morastoni (MDB), surpreendeu a muita gente ao anunciar que pretende adicionar a administração de ozônio, via retal, entre as opções para tratamento de Covid-19 em sua cidade. O procedimento não tem eficiência comprovada cientificamente para tal doença, mas a ozonioterapia já foi muito usada, em Mogi, pelo médico e ex-vice-prefeito, Roberto Luiz dos Reis Zanetta, recentemente falecido, que era um estudioso dessa técnica junto a cientistas de Cuba, para onde ele costumava viajar com frequência para se atualizar sobre o assunto.

Pode isso?

O vereador Taubaté Guimarães (PTB) enviou pedido de explicações ao prefeito Marcus Melo sobre veículos apreendidos e depositados no Páteo Municipal, que não estariam sendo devolvidos aos seus proprietários. O setor é operado pela Octágono Serviços Ltda. O vereador quer saber sobre eventuais providências do Município para o caso e quantos veículos estariam nesta situação.

Frase

O funesto pandemônio governamental na pandemia tem as digitais de Jair Bolsonaro em sua autoria, além da assinatura estampada no Diário Oficial.

José Casado, jornalista e articulista do jornal O Globo, do Rio de Janeiro


Deixe seu comentário