PSDB e PL, com quatro vereadores cada um, terão as duas maiores bancadas da Câmara de Mogi na próxima legislatura. O PSD e o PODE vêm logo atrás com três vereadores cada um. O MDB terá dois vereadores, enquanto o Republicanos, PT, Solidariedade, PSB, DEM, PV e PSOL terão um representante cada um.

Pelo PSDB foram eleitos Marcelo Brás do Sacolão (3.205 votos), Maurinho do Despachante (3.102), Pedro Komura (2.339) e Zé Luiz (1.817).

Já o PL terá os seguintes representantes na Câmara: Clodoaldo de Moraes (3.164 votos), Vitor Emori (2.519), Francimário Farofa (2.336) e Mauro do Salão (2.335).

Pelo PSD, foram eleitos Edson Santos (2.615), Otto Resende (1.642) e Bi Gêmeos (1.340); enquanto pelo PODE, estarão na Câmara os vereadores  Professor Eduardo Ota (1.892), John Ross (1.832) e Policial Maurino (1.294).

Pelo MDB, se elegeram Fernanda Moreno (2.331 votos) e Edinho do Salão (1.779).

Pelo Republicanos, Osvaldo Silva foi o eleito com 2.580 votos, enquanto Iduigues Martins (1739) será o único representante do PT.  A jovem Maria Luiza (Malu) Fernandes (1.648 votos) representará o Solidariedade; Juliano Botelho (1.485) o PSB;Marcos Furlan (1.479) foi reeleito pelo DEM; Carlos Lucarefski (1.323) retornará à Câmara pelo PV; enquanto a professora Inês Paz, que já foi vereadora, retorna após obter 1.242 votos pelo PSOL.

Renovação

Mogi das Cruzes teve 586 candidatos registrados à Câmara Municipal no pleito domingo (16). O mais votado foi Marcelo Brás do Sacolão, com 3.205 votos. Já na outra ponta ficou Patricia Silva, que estava com a candidatura sob análise e não recebeu nenhum voto.

Das 23 cadeiras do legislativo, 14 foram renovadas, ou seja, 60,8%, e a evolução de uma para três vereadores na bancada das mulheres. Candidatos envolvidos na denúncia do Ministério Público conquistam apenas a suplência.

Na próxima legislatura, dois lugares deixam de ser ocupados por homens e passam para mulheres. A casa terá três mulheres, a partir de 2021: Fernanda Moreno foi reeleita; Inês Paz, professora que já foi vereadora no passado, e Maria Luíza  Fernandes, a Malu, que se inscreve como a mais jovem mulher a ocupar uma vaga no Legislativo e tem 20 anos.