Um vídeo que circula pela redes sociais mostra o momento em que um homem pega algo de pequeno porte no porta-malas de um veículo, mas rapidamente guarda no bolso, e depois leva até o vereador eleito em Mogi das Cruzes, Carlos Lucarefski (PV), que estava conversando com outros dois homens. A pessoa que postou o vídeo sugere na legenda que o então candidato estava realizando boca de urna. O Partido Verde, pelo qual o Lucarefski concorreu, esclareceu que o material retirado do carro tratava-se da credencial de fiscal para as pessoas que iam acompanhar a eleição.

O partido atualmente é presidido por Romildo Campello. Em entrevista a O Diário, ele contou que tomou conhecimento das imagens na manhã desta quarta-feira e de imediato entrou em contato com o vereador eleito, a fim de que fosse esclarecido o que realmente ocorreu no dia da votação.

“A resposta é essa que ele nos passou, de que era o pessoal de fiscalização dele, que de fato nós credenciamentos. Cada candidato nós demos a possibilidade de credenciar fiscais. Mas quem seriam os fiscais foi uma escolha dos candidatos”, diz.

Segundo Romildo, a credencial das eleições são pequenas e cabem na palma de uma mão de adulto. O presidente da legenda disse que foi questionar o candidato porque qualquer compra de voto é ilegal.

O próprio vereador eleito, Carlos Lucarefski, atendeu a reportagem para prestar esclarecimentos e confirmar esta versão. "O fato ocorrido se refere a um rapaz que trabalhou como fiscal do partido", diz ele, em nota. "No momento do vídeo", continua, "ele foi até o carro pegar os crachás de fiscal para distribuir para os outros que estavam à espera".

"Como havia faltado um crachá, ele veio até mim e eu dei o crachá que ainda tinha, bem no momento que eu subia com meus filhos para ir votar, já que voto naquela escola. Não posso me responsabilizar pelo ato dele em outros vídeos! Não posso admitir que tirem conclusões a partir de imagens que não retratam a verdade dos fatos", afirmou o parlamentar.

O partido encaminhou ainda um vídeo gravado com o homem que pega o objeto dentro do carro. Haroldo Braz de Paiva diz que vem a público prestar esclarecimento sobre o vídeo que está circulando nas redes sociais, em que dizem que ele estava fazendo boca de urna.

“Eu era fiscal. Sendo assim, eu fui até o carro pegar os crachás que estavam faltando. Aí faltou mais um e eu peguei mais um com o vereador”, conta durante o registro de 15 segundos.

O Tribunal Regional Eleitoral informou que não recebeu informação de ocorrência envolvendo o candidato e orientou que a informação deve ser obtida diretamente nos cartórios eleitorais do município.

Por telefone, a 74ª Zona, negou a O Diário ter recebido qualquer denúncia relacionada ao caso. Já as 287ª e 319ª disseram que não podem confirmar se receberam ou não, já que as situações que por lá foram registradas têm autores anônimos, e o conteúdo, portanto, é sigiloso.