A preferência para eleitores idosos vem sendo respeitada nos dois locais de votação do bairro do Mogilar, em Mogi das Cruzes. A votação começou às 7 horas e praticamente não existem filas nas seções das escolas Leonor de Oliveira Melo e Francisco Ferreira Lopes, o Chicão.

A maior dificuldade para alguns eleitores está sendo a transferência de algumas seções de votação da escola Leonor para o Chicão.

Mesmo com a presença de representantes da Justiça Eleitoral para fornecer informações junto a um painel com os nomes dos eleitores de cada uma das seções instaladas nos dois colégios, houve quem se irritasse com o fato de ter de caminhar alguns metros à frente para chegar ao novo local de votação, já que as duas escolas se localizam uma ao lado da outra.

O eleitor, ao chegar nos dois pontos de votação, encontra, logo na entrada, um policial militar e pessoas da Justiça Eleitoral para dar as primeiras informações. Totens com álcool em gel estão estrategicamente colocados, para que o eleitor possa higienizar as mãos logo que chega para votar.

Em cada seção, há marcas no solo para garantir o distanciamento social entre os eleitores e, ao adentrar o local de votação, o eleitor é convidado a higienizar novamente as mãos com álcool e apresentar seus documentos ao mesário, a uma distância de um metro.

Ele assina a ficha de votação e, ao informar o seu nome, o mesário busca o eleitor na ficha da seção e confirma dados para o digitador. Como os mesários estão distantes, em espaços específicos, isso faz com que a identificação do eleitor seja feita em voz alta entre eles.

Depois dessa rápida identificação, a urna é liberada para que eleitor possa votar. Diante da cabine, a urna já está preparada para que o eleitor digite os cinco números do candidato a vereador. Após digitar o número do candidato, surge na tela a fotografia do escolhido.

Se for o concorrente votado por ele, o eleitor apenas aperta a tecla “Confirma” e, automaticamente, surge na tela da urna os espaços para a colocação dos dois dígitos do número do candidato a prefeito. Apertada a tecla “Confirma”, a urna mostra que a votação chegou ao “Fim” e emite o barulho característico do término do voto. Em menos de um minuto, tudo isso acontece na cabine.

Antes da saída, o eleitor recebe o comprovante de presença e, novamente, é convidado por representantes da Justiça eleitoral a usar o álcool em gel nas mãos.

No interior do local de votação, havia anúncios do TRE informando que é proibido o uso de celular. Ao contrário de eleições anteriores, as fichas com os números e nomes de candidatos a prefeito, vice e vereador não constavam do lado de fora de cada seção.

Santinhos

Também diferente das eleições passadas, o número de “santinhos” de candidatos estava menor. A maioria dos que foram atirados trazia propagandas de vereadores aliados do candidato a prefeito Marcus Melo. Em menor número, santinhos de candidatos ligados ao petista Rodrigo Valverde.

Apesar da quantidade reduzida dos santinhos, atirados durante a madrugada, muitos idosos se mostravam apreensivos com o risco de escorregarem nos papéis.

No geral, com exceção das mudanças das seções, a votação começou sem incidentes no Mogilar.