ARTIGO

Eleição da adaptação

Diego Cápua

Demorou, mas eles estão aparecendo. Aos poucos vamos conseguindo ver mais movimentações de pré-candidatos pela cidade, com muitos nomes surgindo para os diversos cargos e as coligações sendo finalmente fechadas, de forma que o cenário eleitoral começa a tomar forma, em um ano que os resultados dificilmente poderão ser previstos.

Teremos uma eleição em meio a uma pandemia, de muitos desafios, mas, também de muitas inovações, com grande possibilidade de o resultado das urnas ter um reflexo menor no poder econômico e maior no poder da criatividade e da capacidade de engajamento digital de um candidato. O “coronga” vai apenas aprofundar mais a mudança na forma de campanha eleitoral em nosso país, sendo indubitável que nesse ano não apenas os novos nomes deixem de lado o tradicional, mas que também os velhos lobos da política mogiana usem e abusem da internet a fim de garantir um cargo em nossa administração municipal.

Acabou aquela eleição em que o candidato precisava conquistar apenas um eleitor, posto que, devido a nova dinâmica das redes sociais e aplicativos de mensagens, ele precisa de apoiadores os quais irão lhe auxiliar na divulgação de suas mensagens e ideias, auxiliando no convencimento de amigos e familiares. O Eleitor irá perder o papel mais passivo dentro da eleição e assume parte do protagonismo na hora da conquista dos votos.

Será o velho e o novo se fundindo para estabelecer uma nova forma de campanha eleitoral. Tudo evolui em nossa sociedade e, mais que nunca estamos diante da necessidade de fazermos nosso sistema de conquista de votos mudar e auxiliar na melhora da administração pública.

Apesar de a pandemia ter trazido tantos prejuízos para o mundo, ele também obrigou a inovar. Vamos abraçar essa oportunidade.

Diego Cápua é advogado


Deixe seu comentário