Rota obrigatória para caminhões, a estrada do Pavan voltou a ser completamente fechada ao tráfego, complicando o trânsito entre a rodovia Mogi-Dutra e a via perimetral. É o segundo acidente em uma semana.

Esses casos devem ser investigados, claro. Mas, não será surpresa, se o histórico de precariedade e insegurança deste  trecho tiver alguma relação com a causa desses incidentes, felizmente sem vítimas graves.

Sem acostamento e o piso entrecortado por buracos e depressões, a estrada do Pavan registra manobras bruscas, sustos e prejuízos financeiros de motoristas que costumam ter os pneus furados após passar por ali.

Desvio único para os caminhões, essa opção acaba sendo mais usada por motoristas que se destinam a Braz Cubas e Jundiapeba – e acabam optando pela alternativa mais rápida para acessar a perimetral.

Lá se vão quatro décadas de espera pela realização de obras em uma via municipal que serve à malha rodoviária estadual porque interliga as rodovias Mogi-Dutra e Mogi-Bertioga. Por isso, a cidade reivindica do Governo do Estado os recursos para tocar um projeto que dará segurança e conforto dos usuários da malha rodoviária paulista

Desde1990, essa precariedade volta ao noticiário, sem que o poder público leve em conta os riscos e queixas dos cidadãos.

Os negativos reflexos no cotidiano de motoristas da cidade ou de passagem por Mogi, é um claro alerta que há algo muito errado.

Com o adensamento populacional da região da Serra do Itapeti, essa estrada cumpre importante papel no escoamento do trânsito entre a Mogi-Dutra e a área urbana mogiana.

Serviços de manutenção precisam ser ordinários para minimizar o que somente uma obra definitiva e com a previsão de acostamento irá solucionar.

Há uma expectativa de o acesso ser contemplado no projeto de concessão das rodovias litorâneas, no mesmo processo que poderá legar a Mogi uma praça de pedágio. E, por fim, é preciso zelar para que essa falha histórica no sistema viário não sirva de mote para o que mogiano não vai aceitar: a cobrança da tarifa em um local que irá penalizar a economia popular e da cidade.