A esperada presença do delegado seccional de Polícia de Mogi das Cruzes, Jair Barbosa Ortiz, no plenário da Câmara de Mogi será importante para  esclarecer de vez os rumores dando conta da possível desativação dos distritos policiais de César de Souza e Jundiapeba, 3º e 4º DPs, respectivamente.

Nos últimos dias, os vereadores mogianos receberam informações ainda não confirmadas, mas vindas, segundo consta, de fontes ligadas à Polícia Civil da cidade, revelando a suposta intenção do governo estadual de fechar em definitivo os dois distritos, como forma de reduzir despesas e enfrentar a aguda crise de falta de pessoal na área da segurança pública.

Há tempos essa deficiência de pessoal tem levado a cúpula da Polícia Civil da região a realizar verdadeiros contorcionismos para adequar o escasso efetivo às necessidades de funcionamento das várias unidades policiais espalhadas pelas dez cidades do Alto Tietê.

Entre as medidas está o fechamento de algumas delas durante os finais de semana e a concentração do atendimento em outras melhores estruturadas.

Aliás, os boatos sobre o fechamento definitivo dos dois distritos policiais mogianos incluem até as estratégias que poderão vir a ser adotadas para a manutenção do atendimento ao público, sem a presença física dessas unidades.

Segundo consta, o atendimento aos moradores de Jundiapeba seria realizado pelos policiais do 2º Distrito Policial de Braz Cubas, enquanto  os casos policiais de César de Souza passariam a ser atendidos junto ao 1º Distrito Policial, o chamado Distrito Central de Mogi.

As preocupações das autoridades e da comunidade em geral são muitas. Fontes da própria Polícia Civil, que pedem anonimato, alegam que depois de fechados, dificilmente essas unidades voltarão a ser reabertas. Preocupa ainda o fato de que o fechamento do DP de Jundiapeba venha a influir negativamente na segurança dos moradores, já que se trata de um dos pontos de maiores índices de criminalidade do município. 

Ali, onde se espera uma presença mais efetiva da Polícia, pode acabar ocorrendo exatamente o inverso.

A presença do seccional na Câmara deverá pôr em pratos limpos todas essas questões. 

E caso se confirmem os planos de fechamento dos distritos, será a hora de a classe política se unir para impedir que a cidade venha a sofrer mais esse duro golpe vindo do governo estadual.