MENU
BUSCAR
EDITORIAL

As velhas, sujas, inseguras e defasadas estações de trem de Mogi

Na região, a CPTM teve olhos e dinheiro para Ferraz, Poá e Suzano. Menos para Mogi, que sempre votou nos candidatos do PSDB ao governo de São Paulo

O DiárioPublicado em 18/05/2021 às 20:21Atualizado há 28 dias
Arquivo / O Diário
Arquivo / O Diário

Enquanto o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy, deu uma excelente notícia para a região do Alto Tietê, na semana passada, sobre a reforma das estações Manoel Feio e Aracaré, em Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes segue como antes: sem perspectiva sobre quando irá se equiparar às demais cidades e ter as estações de Jundiapeba, Braz Cubas, Mogi das Cruzes e Estudantes modernizadas e com o mesmo traço arquitetônico de todo o mobiliário ferroviário da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos.

Neste ano, estão se desidratando as esperanças lançadas pelo presidente da empresa, Pedro Tegon Moro, em visita feita à cidade, em agosto de 2020.

Quando apresentou o anteprojeto de três das quatro estações (Braz Cubas ficou de fora), Moro chegou a dizer que as obras previstas no pacote de concessão aberto para as unidades Jundiapeba, Mogi das Cruzes e Estudantes poderiam começar em 2021.

O edital para transferir à iniciativa privada a conservação e manutenção destes terminais não encontrou investidores interessados.

São importantes as obras em Itaquaquecetuba. Naquela cidade, todos os dias, 70 mil pessoas utilizam a linha 12 - Safira. 

Sem investimentos que acompanhassem a crescente demanda, essas estruturas apresentam problemas, são inseguras e defasadas.

Na região, a CPTM teve olhos  e dinheiro para Ferraz de Vasconcelos, Poá e Suzano. 

Em todas as últimas eleições, em que o PSDB conseguiu manter o tucanato no Palácio dos Bandeirantes, foi com o voto da maioria dos moradores de Mogi das Cruzes.

Imperioso lembrar isso, quando os jogos eleitorais começam a ser dispostos novamente ao escrutíneo da população.

Não há explicação para a exclusão de algumas estações no aparelhamento do sistema ferroviário, um transporte de massa que poderia ser muito mais utilizado, se contasse com a qualidade, rapidez, conforto, limpeza e segurança em todas as paradas. 

A notícia de Baldy, repetimos, é digna de comemoração. Itaquaquecetuba merece.

Aos mogianos, não cabe qualquer ilusão. Falta, à CPTM e ao Governo do Estado, o compromisso com o passageiro e a cidade, que não são tratados com igualdade e reverência destinadas ao restante da Linha 12.

ÚLTIMAS DE Editorial