Veio de Quatinga a notícia compartilhada em primeira mão por este jornal, no início da pandemia: um grupo de agricultores reunidos por Simone Silotti, estudante da Faculdade de Tecnologia do Estado, a Fatec, criou uma rede de apoiadores imediatamente após a publicação do decreto estadual que fechou bares, comércios e restaurantes, com o objetivo de minimizar o desperdício de verduras e legumes me ponto de colheita e os prejuízos financeiros dos produtores rurais.

A ideia que se tornou realidade era conseguir doações em dinheiro de empresas e pessoas físicas para a compra dos alimentos que iriam para o lixo, caso permanecessem nos canteiros.

 O produtor rural cumpre prazos fixados pela natureza. O trabalho no campo tem relógio próprio. Um atraso na retirar um pé de alface da terra influencia na qualidade do produto. Foi essa lógica que levou Simone a articular os agricultores e ligar para órgãos de imprensa, como O Diário, para divulgar o projeto que foi colocado em ação no período mais nevrálgico para a agricultura – quando não se sabia quanto tempo iria durar a suspensão das vendas diretas e indiretas ao consumidor.

Nasceu assim o projeto Faça um Bem Incrível, com um grupo de 15 produtores, a princípio. Já foram distribuídas, a partir de Quatinga, 170 toneladas de alimentos, entregues a entidades sociais de 13 cidades.

A inventividade desta iniciativa rendeu a Mogi o prêmio aos agricultores,  o de Empreendedor Social em Resposta à Covid-19, criado pelo jornal Folha de S.Paulo.

Interessa à cidade a manutenção de forças e talentos na agricultura, um setor econômico que parece viver um período de renascimento. Novos produtores rurais  são atraídos pelas terras férteis, o clima e o potencial estratégico de Mogi para escoar mercadorias.

Agricultores familares e empreendedores do campo fixando moradia nos distritos onde a área cultivável é interessantíssima.  Apenas neste projeto, 50 pessoas são impactadas. Há vida no cinturão verde de Mogi E, mais: antigos polos que perderam famílias tradicionais estão sendo renovados. Por último, a manutenção da Secretaria de Agricultura, no próximo governo, algo que chegou a ser ameaçado, é uma decisão mais do que acertada. 

Aliás, a presença de Simone e outros estudantes na Fatec, que possui um curso de ensino superior focado na formação e inovação da mão de obra é resultado do acerto da política do agronegócio na cidade.