RITMO ACELERADO

DER afirma que a pandemia de Covid-19 não afetou as obras de duplicação da rodovia Mogi-Dutra

RITMO ACELERADO A duplicação das pistas já é visível em vários trechos da rodovia Mogi-Dutra. (Foto: Eisner Soares)

O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) garante que a pandemia do novo coronavírus não afetou as obras de duplicação da rodovia Mogi-Dutra (SP 088), no trecho final, entre Mogi das Cruzes e Arujá. O órgão, ligado à Secretaria de Estado de Transportes e Logística, garante que os trabalhos sempre em ritmo acelerado e mantém a previsão de conclusão para novembro deste ano.

Até ontem, já tinham sido executadas intervenções como terraplanagem, muros de contenção, implantação da fundação de barreira News Jersey no eixo da pista, concretagem das vigas das passarelas, além de execução de guias, sarjetas e calçadas. Foram também iniciados os serviços de implantação do viaduto sobre a linha férrea, km 38,700.

 As próximas etapas incluem a instalação das tubulações do viaduto do km 38,700, revestimento asfáltico, lançamento das vigas dos viadutos, restaurações, cravação das estacas pré-moldadas do viaduto do km 35, entre outros.

O DER pontuou que, em razão da pandemia, a empresa contratada foi orientada a seguir todos os padrões de limpeza e higiene para evitar a disseminação da doença e garantir a segurança de todos os colaboradores.

A SP-088 passa por obras de duplicação da pista e modernização, com melhorias dos acostamentos, construção de viadutos, passarelas e posto de pesagem, entre o Km 32 e o Km 39,45. O investimento é de R$ 121,9 milhões por parte do Governo do Estado.

A duplicação do trecho final da rodovia é esperado desde janeiro de 2005, quando foi entregue a parte inicial, que vai de Mogi até o entroncamento com a rodovia Ayrton Senna. Depois de idas e vindas, a obra foi anunciada pelo então governador Geraldo Alckmin (PSDB) em dezembro de 2017 para início no mês seguinte e com prazo de 24 meses, a ser concluído em janeiro deste ano.

No entanto, os serviços tiveram início apenas em setembro de 2018, sob justificativa da necessidade de licenciamento ambiental. Com isso, o prazo de entrega em janeiro de 2020 sofreu um aditivo de contrato de dez meses. A nova data é novembro deste ano.


Deixe seu comentário