CASO

Delegado Deodato é condenado pelo TJ-SP

DECISÃO Deodato teve a pena substituída por prestação de serviços. (Foto: arquivo)

O delegado Deodato Rodrigues Leite, assistente da Delegacia Seccional na região do Alto Tietê, foi condenado na manhã desta quarta-feira (23) por falsidade ideológica com a caracterização de crime continuado e concurso material, o que se agravou por ser servidor público. Ele deve cumprir pena de três anos, sete meses e cinco dias em regime aberto – substituídos por restritivas de direito consistentes em prestação de serviços à comunidade.

O acórdão relatado pelo desembargador Gilberto Ferreira da Cruz, da 15ª Câmara do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, teve a participação de Ricardo Sale Júnior e Cláudio Marques, e determina ainda a “perda do cargo do réu”, o que pode acontecer após o processo transitado e julgado. A defesa de Deodato informa que irá recorrer da decisão.

O delegado reassumiu o cargo em março de 2020 após ser absolvido em 1ª Instância, no Fórum de Mogi, pois estava suspenso desde 15 de agosto de 2018. Ele voltou ao trabalho na Seccional, já como assistente, e foi designado coordenador de três Centrais de Flagrantes, em Mogi, Suzano e Itaquaquecetuba, além de supervisor do Setor de Produtos Controlados (explosivos).

O Ministério Público, que recorreu da absolvição, divulgou ontem uma nota à imprensa: “O réu (Deodato) ocupava a função de professor em uma universidade de Mogi e permanecia realizando atividades na instituição de ensino. No mesmo período, deveria estar trabalhando na Dise, Garra e Sig. Ele usou a posição de chefia para determinar a inserção falsa nos registros de ocorrências (flagrantes)”.


Deixe seu comentário