Entrar
Perfil
'100 ANOS SEM LIMA BARRETO'

Com palestras, sarau, teatro e outras ações, Sesc Mogi homenageia o escritor Lima Barreto

Neste mês de Consciência Negra, a programação do Sesc Mogi joga luz à trajetória e obra de um dos mais importantes escritores brasileiros, falecido em 1922

Heitor Herruso
13/11/2022 às 17:10.
Atualizado em 13/11/2022 às 17:13

HOMENAGEM Entre 15 de novembro e 9 de dezembro eventos celebram o pensamento e a vida do autor de ‘Triste Fim de Policarpo Quaresma’ (Ilustração - Dalton Paula)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
'100 ANOS SEM LIMA BARRETO'

Com palestras, sarau, teatro e outras ações, Sesc Mogi homenageia o escritor Lima Barreto

Neste mês de Consciência Negra, a programação do Sesc Mogi joga luz à trajetória e obra de um dos mais importantes escritores brasileiros, falecido em 1922

Heitor Herruso
13/11/2022 às 17:10.
Atualizado em 13/11/2022 às 17:13

HOMENAGEM Entre 15 de novembro e 9 de dezembro eventos celebram o pensamento e a vida do autor de ‘Triste Fim de Policarpo Quaresma’ (Ilustração - Dalton Paula)

Há 100 anos o mundo perdia Lima Barreto. Importante escritor brasileiro, carioca, de pele preta, da fase pré-modernista da literatura nacional, ele é o autor de ‘Triste Fim de Policarpo Quaresma’ e de muitos títulos, como ‘Clara dos Anjos’, ‘O Homem Que Sabia Javanês’ e tantos outros. O Sesc Mogi, neste mês de Consciência Negra, o homenageia, em uma programação inédita e pioneira, pensada pelos gestores e pesquisadores que trabalham na cidade.

Ao todo, a agenda inclui nove atividades, ministradas por nomes como o compositor, cantor, escritor e estudioso das culturas africanas Nei Lopes e o poeta, músico, produtor cultural, artista plástico e editor Ricardo Aleixo. Informações sobre as atrações estão disponíveis abaixo, e os detalhes podem ser encontrados neste link: sescsp.org.br/projetos/100-anos-sem-lima/.

Para o gerente adjunto do Sesc Mogi, Leonardo Borges, “discutir autores, artistas, pessoas e obras desse universo, desse campo chamado de cultura afro brasileira, é fundamental”. E sendo assim, o mês de novembro, quando se comemora, no próximo dia 20, o Dia da Consciência Negra, seria o momento ideal para aplicar “mais ênfase”.

A equipe local decidiu então estabelecer um link com a obra e a vida do escritor e jornalista Lima Barreto, nascido em 1881 e falecido em 1922. “Nos últimos 15 anos ele vem sendo mais pesquisado e sua obra vem ganhando novas interpretações, o que a coloca em um lugar mais justo, mais merecido para este grande escritor e pensador, acima de tudo. Com nosso projeto, as pessoas vão poder tocar e desenvolver o que ficou ‘escondido’ por muitos anos”.

É preciso destacar outro mérito da agenda. Além de resgatar textos que “por muito tempo ficaram em um certo ostracismo”, a equipe do Sesc Mogi reuniu material suficiente para que a direção do Sesc São Paulo, aprovasse o projeto que foi pensado, discutido e lapidado aqui, na cidade, onde se tem uma unidade do Sesc há apenas pouco mais de um ano. 

Também, pudera. Como não aprovar uma programação que tem sim palestras, mas não em um formato tradicional, e sim em um esquema participativo, inclusivo, que permite a fala do público, e que ainda vai além? 

A plateia está convidada a conhecer – ou a mergulhar profundamente, para quem já tem as noções básicas – no universo de Lima Barreto em uma peça de teatro,  um sarau, cursos e intervenções.

“Uma coisa foi puxando a outra. A gente sabia que algumas pessoas teriam conhecimentos e estudos sobre a obra de Lima Barreto. Conhecíamos a obra do poeta e multiartista Ricardo Aleixo, e então recebemos a sugestão de Nei Lopes, vinda das equipes de gerência de ação cultural da rede do Sesc”, conta Leonardo, que explica que as atividades foram surgindo de forma natural, por meio de indicações.

TEATRO Protagonizada pelo ator Hilton Cobra, a peça ‘Traga-me a Cabeça de Lima Barreto’, da Cia. dos Comuns, é uma das atrações, nos dias 25 e 26 (Divulgação - Adeloya Magnoni)

Bom exemplo é o espetáculo teatral ‘Traga-me a Cabeça de Lima Barreto’, da Companhia dos Comuns, do Rio de Janeiro. “Quase todo mundo” indicou este monólogo fictício, que tem início logo após a morte de Lima Barreto (interpretado por Hilton Cobra), “quando eugenistas exigem a exumação do seu cadáver para uma autópsia a fim de esclarecer como um ‘cérebro inferior’ poderia ter produzido tantas obras literárias se o privilégio da arte nobre e da boa escrita é das raças superiores”.

De acordo com Leonardo, a agenda ‘100 Anos sem Lima Barreto’ é pensada para todos, sem restrições. “Para quem já conhece os principais textos, mas também para quem já leu todas as obras, para pesquisadores e artistas que fazem imersão e mergulham mesmo”.

Inclusive, o público terá essa oportunidade de “mergulhar” também. É o que fará Ricardo Aleixo nos encontros do “Diário Íntimo”, que tem inscrições abertas. Ele conduzirá o grupo “numa exploração sonora, literária, imagética e multisensorial a partir do diário íntimo de Lima Barreto”. São textos, passagens realmente escritas pelo homenageado, que serão interpretadas e discutidas até se tornarem uma performance para apresentação ao final da vivência. 

Outra ação imersiva é o sarau cenopoético ‘Lima e os novos Barretos’, com Jô Freitas, Aline Piovan, Juruá, Pamela Carmo, Poeta Seu Zé, Edvan Mota, Luan Charles e Helô Ferreira. Todos estes nomes vão, com a ajuda dos participantes, discutir a importância de Lima no contexto atual, partindo das perguntas: “Quais são as nossas narrativas? Quem são os jovens “barretianos”? Como as obras do escritor refletem hoje?”. 

E tem muito mais, como “cursos e clube de leitura sobre o romance ‘Clara dos Anjos’, convida Leonardo Borges, do Sesc Mogi.

 Programação 

MICROFONE ABERTO O sarau cenopoético ‘Lima e os novos Barretos’, na sexta-feira dia 2 de dezembro, permitirá, entre poesias e composições musicais inéditas, a participação do público no Sesc Mogi, que completou um ano (Divulgação)

15/11 (terça-feira) - 16 horas - Lima Barreto e o Mito da Pátria Desejada, bate-papo/palestra com Nei Lopes 

16 a 18/11 (quarta à sexta-feira) - 19 horas - Diário Íntimo de Lima Barreto, oficina com Ricardo Aleixo

18/11 (sexta-feira) - 19 horas - Diário Íntimo - uma performance intermídia com Ricardo Aleixo

22/11 (terça-feira) - 20 horas - Crônicas Barretianas - palestra com Cidinha da Silva

25 e 26/11 (sexta-feira e sábado) - 20 horas - ‘Traga-me a Cabeça de Lima Barreto’ -  espetáculo teatral com a Cia. dos Comuns

29/11 à 02/12 (terça-feira à sexta-feira) - 19 horas - Modernismo e Modernidade em Lima Barreto - curso com Jorge Augusto

02/12 (sexta-feira) - 20 horas - Lima e os novos Barretos - sarau cenopoético

06/12 à 08/12 (terça à quinta-feira) - Lima Barreto na ideia e brasas serenas no lápis - curso com Allan da Rosa (ação online, via Zoom)

09/12 (sexta-feira) - 19 horas - Clara dos Anjos, de Lima Barreto - clube da leitura, com Cuti

....


Mais informações sobre cada uma das atividades, como o descritivo de tudo o que será realizado, instruções para insrição e detalhes sobre os palestrantes e organizadores estão disponíveis nesta página da internet:  
sescsp.org.br/projetos/100-anos-sem-lima/

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2023É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por