Dois meses após a reabertura controlada, todos os domingos, o Casarão do Chá é uma opção cultural e de entretenimento aos mogianos. Patrimônio histórico nacional, esse centro de cultura restaurado após três décadas de obras, está apresentando a "Exposição de Fotografias Natureza Viva", desde novembro. 

Cuidados com a obrigatoriedade do uso da másca, oferta de álcool em gel, e o distanciamento entre os visitantes são mantidos, segundo afirma Higussa Nakatani, presidente da Associação do Casarão do Chá, que mantém o espaço, em uma parceria com a Prefeitura de Mogi das Cruzes, por meio da Secretaria de Cultura.

De março a novembro, o Casarão do Chá, com acesso pela estrada do Nagao, registra boa procura dos visitantes. O lugar possui grande área ao ar livre, o que facilita a manutenção dos protocolos de prevenção ao novo coronavírus. 

A Exposição de Fotografia Natureza Viva ainda não tem data para ser encerrada. As visitas podem ser feitas das 9 às 17 horas.

A mostra reúne 100 registros fotográficos do Grupo Jacutinga de Observadores da Natureza, com fotos de répteis, insetos, aves, mamíferos e inúmeros outros registros da natureza, principalmente da região de Mogi das Cruzes.

O grupo Jacutinga é formado por biólogos, veterinários, fotógrafos e outros amantes da natureza. Foi idealizado, a princípio, pelo saudoso Antonio Wuo, artista fotógrafo, professor, autor de livros de registros fotográficos da natureza, junto a outros membros, que da mesma forma são apaixonados pela natureza.

 Vale reforçar que Mogi das Cruzes ocupa uma boa colocação no ranking do Wiki Aves -  A Enciclopédia das Aves do Brasil, por espécies registradas, sendo a grande maioria dos registros feitos por membros do Grupo Jacutinga.