Entrar
Perfil
MÊS DE MARIA

Abertura do Museu Padre Attílio Berta resgata história de religioso em Mogi

A programação da 2ª Festa de Maria Mãe do Divino Amor que termina amanhã, no Alto da Boa Vista, contou com a abertura do espaço cultural e histórico da cidade

Eliane José
27/05/2023 às 11:44.
Atualizado em 27/05/2023 às 11:46

Objetos pessoais e fotografias foram reunidos para a composição do acervo do Museu Padre Attílio Berta (Divulgação/Instituto Maria Mãe do Divino Amor)

O Santuário Maria Mãe do Divino Amor, no bairro Alto da Boa Vista, a segunda festa em homenagem à Nossa Senhora, reverenciada pela comunidade católica no mês de maio. Na programação com missas e a procissão de Pentecostes (neste domingo, 28), um dos destaques foi a abertura do Museu Padre Attílio Berta, em homenagem ao sacerdote italiano que legou à cidade obra social que marca o início da expansão da rede municipal de atenção a crianças e jovens em Mogi das Cruzes.

Documentos, objetos pessoais e fotografias estão no acervo que amplia na cidade o leque de museus dedicados a contar e preservar a história recente de moradores e da sociedade de Mogi das Cruzes. O padre Attílio faleceu aos 86 anos em setembro de 2017.

O padre italiano Attílio Berta faleceu há seis anos aos 86 anos e foi o fundador de obra de acolhimento a crianças (Arquivo/O Diário)

A festa de Nossa Senhora está sendo realizada no Santuário Maria, Mãe do Divino Amor, localizado à rua Antonio Fernandes 90, no Alto da Boa Vista.

Nesta sexta-feira (26), o museu foi aberto oficialmente e se torna mais um espaço de memória e cultura a se somar a outros como o Centro de Memória e Cultura Julio Simões, em Braz Cubas, o Museu Guiomar Pinheiro Franco, e outros.

Segundo Marina Dias, uma das responsáveis pelo Instituto Maria Mãe do Divino Amor que mantém uma atuação ativa no atendimento a crianças formada por creches e ações solidárias, o museu expõe documentos, além de bens pessoais do religioso que criou, entre outras instituições, a Casa da Criança que passou a funcionar nos fundos da Catedral de Santana. 

Essa casa surgiu nos anos 1990 quando meninos e meninas perambulavam pelas ruas e praças do centro de Mogi das Cruzes cheirando cola de sapato, num momento social que demonstrou extrema fragilidade dos municípios da Região Metropolitana de São Paulo no acolhimento a menores órfãos ou abandonados pelos pais.

Desde a primeira Casa da Criança, a rede de ação foi se fortalecendo na cidade, com a contribuição do padre e o grupo formado pelas Discípulas de Maria Mãe do Divino Amor que o acompanhavam.

O padre Attílio Berta veio para o Brasil no início da década de 1970, ele atuou no Tocantins, onde o assassinato de um religioso que atuava ao lado dele foi um fato marcante, e depois veio para Mogi das Cruzes, onde respondeu pela Catedral de Santana e outras comunidades católicas.

Memória

A salvaguarda do acervo pretende manter a memória e a biografia do padre que deu origem ao Instituto Maria Mãe do Divino Amor. "O acervo conta com objetos pessoais, escova de sapato, bengala, óculos, muitas fotografias, contando um pouco desde a chegada dele da Itália, as atividades em Tocantins, a vinda para Mogi, o trabalho social na Catedral de Santana e no Botujuru, imagens dele com as crianças, além da parte do vestuário, como o terno e a boina, que todos conheciam, bem com o fogãozinho que ele usava e alguns  documentos como o certificado de Teologia e outros objetos das práticas religiosas", comenta Marina.

A meta dos responsáveis é renovar o acervo a cada três, quatro meses, para tornar o museu um bem cultural atrativo e perene.

Itens de uso pessoal do religioso que fundou a Casa da Criança, no passado, estão no acervo no novo museu (Divulgação/Instituto Maria Mãe do Divino Amor)

A abertura do espaço que será franqueado ao público marcou a agenda da 2ª Festa de Maria, Mãe do Divino.

Hoje (27), o programa da festividade convida a missa com o padre Rogério de Oliveira e a benção às famílias, às 17h30.

Amanhã, domingo (28), Dia de Pentecostes, haverá a procissão ao redor do Santuário , a Santa Missa, e a coroação de Nossa Senhora. O padre Sidnei Quenji Ito será o celebrante.

A comunidade também realiza a quermesse, com a venda de doces e salgados. Haverá, ainda a distribuição do bolo dedicação a Maria e a benção aos fiéis.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2023É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por