Entre a próxima segunda-feira e o dia 21 de novembro, Mogi das Cruzes terá uma semana de muita música, dança, teatro e reflexão com o 8º Festival de Culturas Negras. Proporcionado pelo Programa Municipal de Fomento à Arte e Cultura (Profac), a agenda é uma parceria do Instituto Mogiano de Pesquisa, Educação e Cultura (Impec) com a União de Negras e Negros Pela Igualdade (Unegro) local.

Com exceção de um workshop sobre o uso da voz, todas as atividades serão presenciais. Entre as atrações -que podem ser conferidas na íntegra nesta página-, haverá apresentação de samba, contação de histórias, espetáculo de dança e performances variadas de poesia, música e teatro. Além disso, roda de capoeira, palestra sobre racismo estrutural, feira livre com itens do vestuário afro e fórum sobre racismo.

A organização garante “um evento festivo e multicolorido”, que enalteça “artistas, produtores e pensadores negros” e traga à tona “questões importantes como a construção de políticas públicas que possam ajudar a diminuir as diferenças sociais e econômicas”.

Para Cícero Gomes, integrante da Unegro Mogi, este aspecto de “debater e entender as camadas do racismo estrutural” é fundamental para a obtenção de “uma sociedade mais justa e igual”. “Isto deve ser feito todos os dias, porém em eventos como este o assunto pode ganhar  visibilidade maior”, diz ele.

Todas as atividades são gratuitas, e aquelas marcadas nos palcos do Teatro Vasques e Centro Cultural seguirão as normas de segurança e distanciamento social divulgadas pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. (Leia mais). Ou seja, apenas 40% do público estará presente, “de acordo com as diretrizes do comitê gestor de retomada gradativa das atividades da Prefeitura de Mogi das Cruzes”.

Segundo o secretário responsável, Mateus Sartori, “a celebração do Dia da Consciência Negra, por meio do Festival de Culturas Negras, é entendida como fundamental”. “Criado há oito anos, o festival simboliza o reconhecimento à bagagem histórica e cultural dos negros da nossa cidade, região e país e também o apoio na luta contra a discriminação racial e desigualdade social”, destaca ele por meio de nota enviada a O Diário.

 Programação

16/11 - 19h - Abertura - Apresentação de Samba com Valéria Custódio

Local: Terminal Central

 

17/11 - 19h - Música - Theatro Vasques

Contação de Nossas Histórias

Com Valéria Custódio, Brendo de Lima e João Yraporan

 

18/11 - 19h - Dança - Teatro Vasques

Espetáculo Tereza de Benguela

Studio Aline D'ance - 18 participantes

 

19/11 - 19h - Cultura Popular - Theatro Vasques

Fé e Resistência

Número de participantes: 12

Afoxé Omo Sango

 

19/11 - 19h - Work shop - Plataforma digital - Virtual - Instagram/

Encantos, Danças Cantos e Encontros

Brendo de Lima

 

20/11 - 18h - Roda de Capoeira - Em frente ao Centro Cultural

Grupo: Muzenza

Apresentação de capoeira com o grupo Muzenza, tradicional na cidade.

 

20/11 - 19h - Palestra - Centro Cultural

Vida e Cotidiano: Do Racismo Estrutural `as Relações de Convivência

Rose Paiva

 

21/11 - 10h - Feira - Largo do Rosário

Feira Descendentes de Dandara

Feira livre com barracas de acessórios, vestuário, artesanato, penteado afro.

Apresentações de Maristela Afro, Pagode do Canta, DJ Nanny e Hip Hop

 

21/11 - 16h - Fórum - Theatro Vasques

Programa Diálogo Aberto : Racismo e Politicas Públicas Culturais Para Este Segmento

Cícero Gomes e Joyce Sobral

 

21/11 - 19h - Teatro - Theatro Vasques

Agô Perfomances Negras