PACOTE

Contrato de financiamento de US$ 69,4 mi para a execução do Programa +Mogi Ecotietê é assinado em Brasília

COLCHA Uma das visões do adensamento urbano de Mogi das Cruzes revela fenômenos como o da verticalização que muda a configuração de vários bairros nas últimas décadas. (Foto: Eisner Soares)
OFICIAL O prefeito Marcus Melo e o diretor do CAF, Jaime Holguín, assinam o contrato de financiamento. (Foto: divulgação)

O contrato de financiamento do US$ 69,4 milhões para a execução do Programa +Mogi Ecotietê foi firmado ontem pela Prefeitura e a Cooperação Andina de Fomento (CAF) – Banco de Desenvolvimento de América Latina. O projeto prevê obras de mobilidade urbana, meio ambiente e saneamento básico a serem executadas na região leste do município, entre os bairros Nova Mogilar e o distrito de César de Souza. O prefeito Marcus Melo (PSDB) e o secretário municipal de Planejamento, Claudio de Farias Rodrigues, foram recebidos por Jaime Holguín, diretor representante da instituição no Brasil.

Ao falar da etapa final para a liberação dos recursos financeiros, o prefeito destacou a participação de todos os secretários e colaboradores que se dedicaram para a obtenção do financiamento. “O projeto foi discutido pelos técnicos da Prefeitura durante mais de um ano e vai melhorar a qualidade de vida, o saneamento e devolver o rio Tietê aos mogianos”, disse o prefeito.

Para Rodrigues, ontem, a cidade deu “um grande passo para o desenvolvimento urbano sustentável. A região leste de Mogi das Cruzes, todo o distrito de César de Souza, a área central e o Rodeio, serão beneficiados com obras de mobilidade urbana, infraestrutura, saneamento e novos espaços socioambientais. É um ganho e um planejamento ordenado para o desenvolvimento da nossa cidade”.

Uma das apostas para a retomada de obras de maior porte, a partir dos próximos meses, após a realização das licitações e obtenções de licenciamentos ambientais, o conjunto de obras prevê, entre outros itens, a construção de dois novos parques (localizados na rua Antonio de Almeida e na avenida Francisco Rodrigues Filho), além da ampliação do Parque Centenário e da recuperação das áreas verdes próximas ao Rio Tietê.

Para atender a mobilidade e desenvolvimento urbano, a proposta prevê a construção da avenida Parque (Corredor Ambiental Ecológico Sustentável – CAES), um sistema de vias e intervenção urbanística em César de Souza. Outra ação será a implantação de 30 quilômetros de ciclovias interligando os parques e o Corredor Ambiental Ecológico Sustentável, bem como a construção de uma passarela sobre o Rio Tietê. No total, serão 6,2 km de Corredor Ambiental, 3 novas transposições e ciclovias. Uma das metas é diluir a concentração do tráfego de veículos nos corredores interligados pela via perimetral e avenidas Francisco Rodrigues Filho e João XXIII.

Na área de saneamento básico está prevista a ampliação da capacidade da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de César, localizada ao lado do Parque Centenário, que passará de 142 para 460 litros por segundo. Também serão implantadas redes de abastecimento de água e de coleta de esgoto em César de Souza, além do saneamento ambiental dos córregos Lavapés e dos Corvos.

As obras começam a movimentar o mercado mogianos já nos próximos meses e é uma aposta para impulsionar a economia local com a geração de empregos diretos e indiretos a partir do ano que vem, um período ainda impactado negativamente pela pandemia da Covid-19.


Deixe seu comentário