Você, por acasou, já imaginou o que acontece com o seu voto a partir do momento em que a tecla “Confirma” é pressionada, ao final da votação? Pois o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) faz questão de mostrar o passo a passo de todo esse processo. O voto só entra na urna eletrônica que tem o software lacrado pela Justiça Eleitoral. Todos os programas do equipamento são codificados pelo TSE e assinados digitalmente em cerimônia pública.

No dia da eleição, tudo começa com a impressão da “zerésima”, a prova de que não há nenhum voto dentro da urna. A emissão desse documento é acompanhada por fiscais dos partidos. Quando começa a votação, cada eleitor é identificado antes de se dirigir à cabine, onde irá digitar o número do candidato escolhido, verificar os dados e a foto dos concorrente e clicar no botão “Confirma”.

Em seguida, revela o TSE, as informações do voto são embaralhadas em uma tabela, denominada Registro Digital do Voto (RDV), o que torna ainda mais difícil identificar quem votou em quem. Garantia de que o voto do eleitor permanecerá secreto.

Durante todo o dia de votação, os votos são registrados em duas memórias – uma interna e outra externa –, que podem ser removidas, caso seja preciso substituir a urna.

Ao final da votação, prossegue a explicação, os votos registrados na urna são apurados, e é gerado o Boletim de Urna (BU), que, previamente, é assinado digitalmente e criptografado. O BU é um extrato dos votos registrados para cada candidato/legenda, contendo também os votos nulos e brancos.

Além da composição dos votos, o Boletim de Urna registra a seção eleitoral, as informações da urna (como a correspondência – número que associa a urna à respectiva seção eleitoral) e o número de eleitores que votaram.

São impressas cinco vias obrigatórias do BU, assinadas pelo presidente da seção eleitoral e por representantes ou fiscais dos partidos políticos presentes. As cinco vias têm destino certo: a primeira é afixada na porta da respectiva seção, para dar publicidade ao resultado; três são juntadas à ata da seção e encaminhadas ao respectivo cartório eleitoral; e a última é entregue aos representantes ou fiscais dos partidos.

Depois dessa etapa, o BU e demais arquivos de resultados da urna são gravados na mídia de resultados, que é diretamente encaminhada para um centro de transmissão, que pode ser o próprio cartório eleitoral, o local de votação ou a sede dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs). Neste pleito a totalização dos votos ocorre no TSE. No software de votação, não há intervenção humana em nenhuma etapa do registro dos votos ou da apuração do resultado da seção.

O resultado apurado da seção, contido no BU, é impresso e gravado na mídia de resultado. O BU, assinado digitalmente e criptografado, contido na mídia do resultado, somente pode ser decifrado pelo Sistema de Totalização da Justiça Eleitoral.

Caravana do frota

O deputado federal Alexandre Frota é quem irá liderar a Caravana #45 do PSDB, que estará amanhã, a partir das 10 horas, no calçadão, junto ao Largo do Rosário, para reforçar a campanha do partido em favor do candidato Marcus Melo. Frota deverá puxar uma caminhada pelo centro de Mogi. O conhecido ator de filmes pornôs se elegeu deputado no grupo de Bolsonaro, com quem se desentendeu, algum tempo depois. Hoje é vice-líder da bancada do PSDB na Câmara, coordenador da CPMI das Fake News e um dos autores da Lei Aldir Blanc. Frota tem sido escalado pelo governador Doria para ações do # Novo PSDB em todo o Estado de São Paulo.

O médico e as tragédias

O médico Gabriel Ortega, atual chefe da UTI da Santa Casa de Taquarituba, que atendeu vítimas do acidente entre um ônibus e um caminhão ocorrido quarta-feira,  na Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, entre Taguaí e Taquarituba, na região de Avaré (SP), matando 41 pessoas e deixando outras 12 feridas, tem experiência em casos desse tipo. Ele integrava a equipe do Hospital Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes, quando ocorreu o acidente com ônibus que conduzia estudantes e capotou, na noite de 8 de junho de 2016, na Mogi-Bertioga, deixando 18 mortos. “Mas dessa proporção aqui, nunca tinha visto”, afirmou Ortega, referindo-se ao fato ocorrido no interior do Estado.

 Inspeção Predial

O engenheiro Orlando Pozzani Jr. enviou documento parabenizando o vereador Otto Rezende (PSD) pela aprovação do projeto de lei de sua autoria que estabelece a obrigatoriedade da certificação de inspeção predial nas edificações públicas e privadas de Mogi das Cruzes.  “Este assunto se arrasta em nosso município, desde 2012, em meu segundo mandato como presidente da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Mogi das Cruzes, quando através de uma comissão de Engenheiros e Arquitetos, foi elaborada uma minuta para esta lei que veio para dar segurança à população”, lembrou Pozzani, no documento.