Eleição, momento dos mais importantes. Neste domingo escolheremos quem queremos como representante na Câmara  e também como prefeito para os próximos quatro anos.  Toda cidade tem perfil próprio e diferem os interesses de um local para outro, as prioridades e demandas mais urgentes acabam influindo não só na disputa eleitoral como também na performance dos candidatos.  O momento é de optar por renovar o legislativo, dar oportunidade a novos nomes que possam fazer o contraponto ao poder executivo e colaborar para o avanço de qualidade de vida no município. Não se quer um legislativo só de opositores, porque um prefeito pode propor aprovação de leis em benefício da coletividade, razão para que exista ponderação. Um segundo mandato para quem mostrou trabalho, tudo bem, mas eternizar quem já teve oportunidade é um erro e perde-se a possibilidade de oxigenação da política. Campanha feita, o momento é de seriedade, de dar o voto para quem esteja focado e não seja apenas um candidato para fazer número e somar voto para o partido eleger quem ocupará uma cadeira.  Considere as candidaturas femininas.

Para o cargo de prefeito a avaliação é ainda mais significativa, pois a escolha dos eleitores pode significar uma ruptura com o que está caminhando bem e interrupção de projetos, tanto quanto um retrocesso em conquistas.  O histórico do candidato deve ser olhado com lupa, como assim como a história do partido, afinal, somente o discurso buscando apagar da lembrança dos eleitores os malfeitos passados de uma legenda, , é tratar candidaturas como imaculadas. 

A variedade partidária do Brasil não contribui, confunde o eleitor.  Certamente existem nomes bons entre os candidatos, com chances reais ou nenhuma, bem por isso a sedução do voto pelo potencial aparente dos seguidores nas redes sociais não deve ser o fiel da balança, pois produzir conteúdo digital é bem diferente de trabalho concreto. 

 Ainda bem que temos oportunidade de escolher, diferentemente de países em que isso se dá de forma indireta ou nem democracia plena há. Ainda bem que temos o voto como nossa pólvora para afastar quem tem muita saliva e pouca atitude.  De bravatas a população está cheia, não precisamos de “memes” de internet, queremos, entre tantas coisas, saúde para todos, educação e qualidade de vida. A hora é agora.  

Laerte Silva é advogado