MENU
BUSCAR
COLUNA INFORMAÇÃO

Carreata mostrou repúdio ao pedágio

Depois da grande manifestação realizada, sábado pela manhã, na Mogi-Dutra, a Artesp divulgou nota onde não deixou dúvidas sobre seus planos para o pedágio

Darwin ValentePublicado em 24/05/2021 às 17:16Atualizado há 21 dias
Foto: Fábio Palodette / O Diário
Foto: Fábio Palodette / O Diário

Os mogianos e demais moradores da região voltaram a dar, no último sábado, mais uma vigorosa demonstração de repúdio ao pedágio que o governo estadual insiste em instalar na Mogi-Dutra e no trecho final da Mogi-Bertioga. 

Durante mais de duas horas, uma enorme carreata, formada por automóveis vindos de diferentes municípios e caminhões de empresas localizadas na região e que deverão ser afetadas pela cobrança pelo uso da estrada, percorreu o trecho da Mogi-Dutra, entre o trevo de acesso à rodovia Ayrton Senna e o bairro da Ponte Grande, no início da área urbana de Mogi, dando ao Estado uma demonstração de quanto a região está mobilizada e o tamanho da insatisfação contra o projeto da Artesp/governo Doria.

As imagens mostradas praticamente em tempo real pela edição eletrônica deste jornal serviram para apresentar a força do movimento.

Tanto que, por conta disso ou não, o certo é que a Artesp, no final da tarde sábado, decidiu encaminhar a este jornal uma nota oficial falando dos supostos benefícios que o seu projeto poderá trazer para a cidade de Mogi das Cruzes.

No texto de 309 palavras e 2.003 caracteres, a agência usa a palavra “pedágio” uma única vez e, mesmo assim, para dizer o que todos já sabiam: que o posto de cobrança deverá ser instalado numa estrada estadual.

Só esqueceu de citar que estas duas estradas estaduais - Mogi-Dutra e Mogi-Bertioga - que hoje são administradas pelo Estado, foram construídas com recursos advindos dos impostos dos mogianos, pela Prefeitura Municipal de Mogi, na época administrada pelo então prefeito, Waldemar Costa Filho.

E mesmo dizendo, ao final, que sempre esteve aberta ao diálogo, a Artesp não dá uma única pista sobre uma eventual negociação para tirar do projeto os pedágios relativos às duas estradas. 

Isso significa que o comunicado da Artesp foi inócuo para aqueles que esperavam algum sinal de atendimento às reivindicações da população  de Mogi e região. E mostra também que se Mogi e Alto Tietê quiserem se ver livres desse verdadeiro estorvo que a agência quer lhes empurrar bolsos adentro, terão que continuar usando todas armas à sua disposição contra o projeto e seus pedágios.

A batalha, tudo indica, deve ser longa. Quem sabe, até que o governador João Doria (PSDB) e seus aliados se sensibilizem com os apelos e protestos da região. Algo que, atualmente, parece estar ainda um tanto distante. E se a luta continua, todos devem estar prontos para o bom  combate.

Candidatura à vista

Com o virtual candidato a deputado estadual, ex-vereador Sadao Sakai (PL), ocupando um cargo estratégico junto à Prefeitura Municipal de Suzano, nos meios políticos regionais voltaram a circular, com força, neste final de semana, os rumores sobre uma possível candidatura da primeira dama suzanense, Larissa Ashiuchi (PL), a um cargo eletivo no pleito do próximo ano. De novo, as especulações voltam a dizer que Larissa, como o apoio do partido e, especialmente de seu marido, o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, teria grandes chances de se eleger deputada federal. Vale lembrar que nas eleições municipais passadas, o atual prefeito suzanense se elegeu com mais de 80% dos votos, naquela cidade. 

Revolta de Farofa

Nem tudo são flores dentro do PL de Valdemar Costa Neto, depois das primeiras manifestações para dar apoio à virtual candidatura do vereador Sadao Sakai a deputado estadual pelo partido, nas eleições do próximo ano. Já se sabe que o vereador José Francimário Vieira de Macedo, o “Farofa”, que sonhava com tal apoio a seu nome para disputar a vaga na Assembleia Legislativa, não gostou nem um pouco da  movimentação pró- Sadao. Por isso mesmo, deixou claro, em reuniões do final de semana, que estaria propenso a deixar a legenda , trocando o PL por algum outro partido que lhe dê a chance de sair candidato a deputado. Detalhe: “Farofa” também não concorda com o apoio a Marco Bertaiolli (PSD).

Ponto para Arujá

O município de Arujá acaba de marcar um ponto importante para sua industrialização. O Grupo Steck, líder no fornecimento de materiais elétricos para uso residencial, comercial e industrial, acaba de anunciar a mudança do seu Centro de Distribuição, localizado na Vila Maria, zona Leste de São Paulo, para a cidade do Alto Tietê. O novo centro distribuidor é 46% maior que o anterior e tem capacidade para atender ao crescente aumento da demanda no curto, médio e longo prazos. São 8 mil m² de área de armazenamento, 14 docas, 4.332 posições de armazenamento e pé-direito de 12m. A localização de Arujá foi decisiva para a escolha da Steck, cujo centro ocupa 80 trabalhadores.

ÚLTIMAS DE Colunistas