MENU
BUSCAR
PEDÁGIO

Vice-governador diz que concessão trará melhorias ao usuário da Mogi-Dutra, sem citar quais

Rodrigo Garcia (PSDB) afirmou ainda que se houver irregularidades no edital rejeitado por Mogi das Cruzes,caberá à justiça apontá-las.

Natan LiraPublicado em 22/07/2021 às 13:42Atualizado há 6 dias
Foto: Eisner Soares / O Diário
Foto: Eisner Soares / O Diário

O vice-governador do estado de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB) visitou a cidade de Ferraz de Vasconcelos na manhã desta quinta-feira (22) e defendeu a manutenção do edital de concessão Lote de Rodovias Paulista, que prevê a cobrança de pedágio nas rodovias Mogi-Dutra (SP 088) e Mogi-Bertioga (SP 098), sob justificativa de que a privatização de vias é sempre para somar melhorias para os motoristas e ressaltou ainda que, caso haja alguma irregularidade no edital, que caberá à justiça decidir.

Garcia, que assume as atividades do executivo estadual enquanto João Doria (PSDB) se recupera da segunda infecção pela Covid-19, começou a resposta sobre o pedágio lembrando que São Paulo é referência em concessão de rodovias no Brasil.

“Ela é feita justamente para melhorar a circulação de quem usa a rodovia e para melhorar a condição do estado. Ninguém vai criar ou fazer uma concessão para prejudicar as pessoas. Nós fazemos uma concessão para melhorar a vida das pessoas”, ressaltou, sem citar qualquer benfeitoria que à população, sobretudo porque a rodovia Mogi-Dutra acaba de ser duplicada no trecho final.

O discurso é bastante parecido com o que falou o secretário de estado de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, em visita a Itaquaquecetuba.

Questionado sobre a ilegalidade do edital, que resultou em ações na justiça e análise do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, o vice-governador argumentou que a Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp) que é a grande responsável pela questão da concessão, que ela realizou audiências públicas, e que até a abertura das propostas, em setembro, o governo quer dialogar com a sociedade. Ocorre que a própria Artesp já ressaltou que não realizará mais audiências públicas, mesmo o o projeto apresentado nas audiências tendo passado por diversas mudanças.

“O estado está à disposição para avaliar obras que possam mitigar os efeitos e para que a população de Mogi possa trafegar em marginais, em novas vias que evitem a movimentação na Mogi-Dutra. Nós estamos abertos a dialogar, mas voltando a falar que todo o programa de concessão de rodovias de São Paulo é pensado para melhorar a vida das pessoas. Ajustiça é que define se tem ou não irregularidades. A Artesp é uma agência reguladora, faz isso há mais de 20 anos em São Paulo, inclusive na Ayrton Senna, e ela é a grande responsável jurídica pelo procedimento. Eu sei que têm várias demandas judiciais, e a Artesp está dialogando com o judiciário e, que eu saiba, até agora tem sido bem-sucedida. Mas o estado está à disposição para criar medidas, obras, novas vias para mitigar um pouco esses eventuais efeitos e aguardando o mês de setembro”, ressaltou.

Volta Fria

O vice-governador ainda prometeu que, até setembro deste ano, esteja finalizado o processo de licitação para a pavimentação da estrada da Volta Fria, mas não falou sobre a reconstrução da ponte que liga o bairro ao distrito de Jundiapeba, que está interditada desde 2009 para a passagem de ônibus e outros veículos pesados, dificultando ainda mais a rotina de quem vive naquele bairro e já tem de lidar com o pó nos dias quentes e a lama nos dias de chuva, resultado de falta de pavimentação e manutenções. Os moradores, inclusive, preparam uma manifestação cobrando melhorias para a estrada e a ponte. 

“Em agosto vamos enfrentar um desafio que é grande, que é pavimentar as estradas de terra, e a Volta Fria está dentro deste lote. Nós temos um projeto executivo pronto e vamos tornar realidade a pavimentação da estrada da Volta Fria junto com o programa de pavimentação das vicinais. Nós estamos concluindo as primeiras licitações, e a expectativa é de que entre agosto e setembro, no mais tardar, esteja publicado”, ressaltou.

Rodoanel Suzano

Já em relação à alça de acesso ao Rodoanel, em Suzano, Garcia disse que havia uma ideia inicial de fazer uma alça na chegada à cidade, mas que foi alterada para melhor lidar com a realidade do município. “O estado então pretende fazer a alça, mas a Artesp está estudando com a prefeitura o melhor traçado, que seja feito de maneira mais rápida e segura”, destacou.

ÚLTIMAS DE Cidades