O primeiro turno das eleições, no domingo (15), definiu os candidatos Marcus Melo (PSDB) e Caio Cunha (PODE) para a segunda etapa da disputa marcada para o próximo dia 29.

O candidato à reeleição Marcus Melo (PSDB) ficou com 42,29% (81.555 votos) e Caio Cunha (PODE) teve 28,31% (54.591). 

Agora, eles têm a missão, no curto espaço de tempo de duas semanas - que em eleições anteriores teve intervalo de 28 dias entre o 1º e 2º turnos - de buscar os votos dos eleitores de seus cinco adversários - Rodrigo Valverde (PT), Felipe Lintz (PRTB), Michael Della Torre (PTC), Miguel Bombeiro (PROS) e Fred Costa (PDT) -, além daqueles que votaram em branco (6,89% - 15.921) e anularam (9,61% - 22.197). Ao todos, as urnas computaram 230.971 votos em Mogi.

Na avaliação do cientista político Samuel Oliveira, pós-graduado em Ciência Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, independemente do número de candidatos, a disputa fica entre dois candidatos. “A eleição no Brasil se caracteriza, na visão do eleitor, no grupo que está no poder e qual seria o que poderia enfrentá-lo. Sempre serão estas duas frentes. No 2º turno, o eleitor tem mais tempo e oportunidade para conhecer detalhadamente as propostas de cada um. Isso é importante porque ele consegue pesar melhor se realmente quer a continuidade ou algo diferente. E tem o peso das negociações com os outros candidatos que não foram para o 2º turno”, diz o especialista.

 Melo aposta na experiência para superar o adversário

O prefeito Marcus Melo (PSDB) admite que esperava ter vencido no primeiro turno, mas comemorou o resultado e a vantagem com relação ao segundo colocado, Caio Cunha (PODE). Ele disse que começa uma nova eleição e que se sente vitorioso e preparado para enfrentar esta etapa da campanha. 

“Fomos vitoriosos em primeiro turno, e no segundo vamos ter a oportunidade de mostrar aquilo que já fizemos pela cidade e que temos mais propostas para Mogi e experiência de administração”, declara, afirmando que é preciso ter maturidade para lidar com política, entender quando é preciso rever estratégias e ampliar o debate sobre as questões de interesse da cidade.

Segundo ele, nessa nova etapa, o debate será mais ‘cara a cara’, e isso dará a chance de as pessoas saberem de fato quem é quem na disputa. “Vamos começar uma nova eleição, renovando os ânimos e nos preparando para esse novo embate com tranquilidade e maturidade”, declara Melo, avaliando que terá oportunidade a mais para mostrar os trabalhos que realizou e que, mesmo com a pandemia, conseguiu ampliar o atendimento em várias áreas.

 Caio foca no contato com as pessoas e nas propostas

O candidato a prefeito Caio Cunha (Pode) aposta no foco nas pessoas e na divulgação dos três pilares de seu plano de governo - qualidade de vida e cidadania; crescimento sustentável; e gestão inteligente, participação e transparência - para conquistar o eleitorado neste segundo turno.

“Vamos seguir a linha que adotamos desde sempre. Não há porque entrar na política se não for para fazer pelas pessoas e com as pessoas. Trabalhamos incansavelmente para isso, foi uma campanha de anos e agradeço aos mogianos, que são os grandes protagonistas desta festa, que acreditaram em nós e em nosso projeto, não foram manipulados por pesquisas e confiam que uma nova história pode ser escrita na cidade”, destaca Cunha.

“Agora é uma nova campanha e já teve início. Terei mais tempo na televisão, já que no segundo turno são cinco minutos para cada candidato, e ficará mais igualitário. Sem dúvidas, as pessoas vão conhecer mais o nosso trabalho”, aposta o candidato.

Aberto ao diálogo com os demais candidatos derrotados nas urnas no primeiro turno, ele diz que ainda não planejou coligações. “Vamos continuar com o nosso projeto”, diz.