Entrar
Perfil
REPERCUSSÃO

Secretario de Mogi defende que PS em Braz Cubas não afeta o acesso dos pacientes

Após a decisão da Santa Casa de fechar o PS, Secretaria de Saúde estuda levar serviço para o hospital do distrito e o responsável pela pasta, Zeno Morrone Júnior, destaca que o endereço atual atende pessoas de lugares distantes

Eliane José
03/07/2022 às 12:21.
Atualizado em 03/07/2022 às 17:00

Por questões como a superlotação, a Santa Casa decidiu não renovar contrato do PS com a Prefeitura de Mogi (Arquivo - O Diário)

A distância entre o PS da Santa Casa de Misericórdia de Mogi das Cruzes e o complexo  municipal formado pelo Hospital de Braz Cubas, que acaba de ganhar o prédio da futura maternidade, na opinião do secretário municipal de Saúde, Zeno Morrone Júnior, não irá interferir no acesso do paciente ao serviço de urgência e emergência da cidade. Ele defende que a Santa Casa, hoje, não atende apenas moradores do centro; ao contrário, assiste pacientes de toda a cidade e de municípios da região do Alto Tietê.

A possibilidade de a Prefeitura abrir um PS em Braz Cubas está sendo estudada após a direção da Santa Casa decidir não renovar o contrato de serviços que vence em agosto, e foi firmado no final do ano passado, com a gestão municipal. "A distância não tem problema porque, hoje, onde está, o PS não atende apenas o morador do centro", argumenta. 

Um dos serviços mais antigos da cidade, o PS da Santa Casa responde por uma média de 8 mil atendimento por mês, o que corresponde a cerca de 13% do total da demanda mensal de Mogi das Cruzes, compartilhada por outros serviços como UPAs e o Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo (que, desde o ano passado, no entanto, passou a funcioinar de porta fechada - somente paciente encaminhado por outras unidades é atendido no local). 

Uma das alternativas planejadas pela Prefeitura de Mogi, é equipar uma das áreas do hospsital ou da maternidade de Braz Cubas para receber o serviço.

Questionado sobre a distância, Zeno lembrou que o paciente da cidade hoje já precisa cumprir ampla distância para chegar ao centro, onde a Santa Casa de Misericórdia está instalada. "Quantas pessoas moram ao redor da Santa Casa? E, por outro lado, o hospital municipal também conta com serviços, como o ônibus, que passa em frente", posiciona-se. O PS também costuma receber pacientes vítimas de acidentes que ocorrem em pontos distantes, como a Mogi-Bertioga ou a Mogi-Salesópolis.

A decisão sobre levar o PS para o distrito, no entanto, dependerá ainda de estudos técnicos e financeiros. Há poucas semanas, a Saúde decidiu levar para Braz Cubas o Pró-Mulher e também voltou a utilizar o PS Infantil - fechado durante o período de pandemia quando o serviço passou a tratar exclusivamente os pacientes com Covid.

Questionado se o prédio onde deveria ser instalada a Clínica do Homem poderia receber esse novo serviço, Zeno lembrou que o tamanho e as características do prédio não comportariam um PS.

No hospital de Braz Cubas ainda, um PS contaria com a retaguarda dos 76 leitos existentes ali.

Os próximos dias serão decisivos para a definição do futuro do PS municipal, um serviço que, de acordo com as normas do Sistema Único de Saúde (SUS) é de responsabilidade do município.

  

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por