MENU
BUSCAR
EM TRÂMITE

Reunião debate o futuro do contrato da Santa Casa com o Iamspe

Diretoria do hospital, políticos e entidades debateram sobre a possibilidade de manutenção do contrato, que encerra no domingo (9)

Natan Lira Publicado em 04/05/2021 às 14:48Atualizado há 9 dias
Divulgação

Uma reunião realizada na manhã desta terça-feira (4) entre a diretoria da Santa Casa de Mogi das Cruzes, o suplente de deputado estadual e defensor do convênio, Luiz Gondim, políticos e entidades, na Câmara de Mogi, debateu o futuro do contrato entre o hospital filantrópico e o Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe), o convênio da categoria.

Questionado, o hospital manteve o posicionamento e disse em nota que o atual contrato "gera prejuízos para a Santa Casa todos os meses".

Há 10 dias, a Santa Casa anunciou que não ia prorrogar o contrato com o Iasmpe e que o atendimento iria apenas até 9 de maio. Segundo o deputado Gondim, durante a reunião desta terça-feira o hospital informou que o motivo da não renovação é porque nos moldes atuais ela não tem como renovar.

“A Santa Casa é o hospital de referência aqui no Alto Tietê, mas o repasse é de R$ 200 mil. Aí R$ 75 mil são para consultas e Pronto-Socorro, R$ 41 mil para procedimentos e o restante é para outros serviços, como fisioterapia, ultrassom e vários outros serviços na rede conveniada”, explicou.

O interesse da Santa Casa, segundo Gondim, é de que o contrato seja firmado tendo como base o pagamento para cada atendimento, mas a entidade não aceitou.

“Os servidores vão fazer um abaixo-assinado para forçar o Iasmpe a renovar o contrato e eu vou tentar uma reunião, urgente, com o doutor Wilson Polara, que é o superintendente do Iasmpe. Mas a gente segue nessa luta para que o único hospital de referência aqui para os servidores públicos mantenha o contrato”, conta.

A reportagem de O Diário questionou a Santa Casa sobre os pontos levantados pelo suplente de deputado, mas não recebeu retorno até a publicação da matéria. 

Em nota, a entidade informou que tratava-se de uma reunião com presidentes de associações de funcionários públicos beneficiários do IAMSPE, que estavam procurando esclarecer as dúvidas quanto as necessidades da Santa Casa para a renovação do contrato, para posteriormente eles estarem reunindo com o Superintendente do IAMSPE para buscar uma solução. "O modelo atual é pacote com teto máximo de gastos, e a Santa Casa propõe cobrança por procedimentos executados para não ter prejuízos financeiros no atendimento. O atual contrato gera prejuízos para a Santa Casa todos os meses", trouxe o documento. 

ÚLTIMAS DE Cidades