MENU
BUSCAR
PERDA

Professora e militante Mari Mendes morre aos 41 anos

Ela também fazia parte do Fórum de Mulheres Filhas da Luta e tinha forte atuação em movimentos da cidade

Carla OlivoPublicado em 15/11/2021 às 08:09Atualizado há 14 dias
Reprodução - Facebook
Reprodução - Facebook

* ESTA MATÉRIA ESTÁ EM ATUALIZAÇÃO

O corpo da professora da rede municipal de ensino, Marilene Maria da Silva Mendes, conhecida como Mari, 41 anos, será sepultado nesta segunda-feira (15). Ela era militante da Resistência/PSOL e da Resistência Feminista e teve forte atuação no movimento feminista da cidade e no ativismo da educação paulista, lecionando nos anos iniciais do Ensino Fundamental 1. Começou a militância jovem, construindo o PSTU.

Mari foi encontrada morta neste domingo (14), no apartmento onde morava, no Alto do Ipiranga, sem sinais de violência. Até as 10 horas de hoje (15) não havia informações sobre o horário de velório e sepultamento porque dependia de liberação do corpo pelo Instituto Médico Legal (IML).

Segundo postagens de amigos nas redes sociais, ela tinha pressão alta, teria sofrido um mal súbito e chegou a enviar uma mensagem dizendo sentir-se mal, mas não resistiu até a chegada do socorro. teria sofrido um mal súbido. 

Maria, que morava com a filha Ana Rosa, 12 anos, teria sido encontrada no apartamento por uma amiga, na tarde deste domingo (14). A Polícia Militar foi acionada e o corpo, após perícia realizada pela Polícia Científica, foi encaminhado ao IML de Mogi. Neste final de semana, Ana Rosa estava com o pai, em São Bernardo do Campo, na região do ABC.

Várias postagens vêm sendo feitas na internet sobre a morte da professora, detacando seu legado como militante na cidade. O Fórum Mogiano LGBT postou nota na pesar na internet sobre a morte: "Mulher de luta e garra, integrante do coletivo Fórum de Mulheres Filhas da Luta, uma grande companheira dos movimentos sociais de defesa dos direitos humanos com destaque a luta feminista, antirracista e dos direitos da população LGBTI+, da defesa da educação pública e de qualidade, e de uma sociedade justa e igualitária. Os nossos profundos sentimentos à sua filha, família e a todos e todas companheiras de militância.

A vereadora Inês Paz (PSOL), uma das coordenadores da sede do SIndicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), usou as redes sociais para lamentar a morte da professora. "Luto, Com muita tristeza e dor, informo o falecimento da nossa companheira de luta Mari Mendes.

Mari, professora da rede municipal de Mogi, era uma lutadora das causas populares. Nossos sentimentos à sua filha, familiares, amigas e amigos. MARI - presente. SEMPRE!"

ÚLTIMAS DE Cidades