Entrar
Perfil
VISITA DO BISPO DE MOGI

Papa Francisco pede aos bispos vigilância às eleições e tolerância zero aos abusos

Em correspondência, dom Pedro Luiz Stringhini, bispo diocesano de Mogi das Cruzes, enumera pontos centrais da conversa com o Santo Padre

O Diário
28/09/2022 às 15:39.
Atualizado em 28/09/2022 às 16:39

Bispo de Mogi das Cruzes conversa com o papa Francisco, durante encontro (Divulgação/Vatican Media)

Em uma mensagem onde destaca pontos centrais e bastidores do encontro entre arcebispos e bispos das Províncias eclesiásticas de Aparecida, São Paulo e Sorocaba, do Regional Sul 1 da CNBB e o papa Francisco, no Vaticano, o bispo diocesano de Mogi das Cruzes, dom Pedro Luiz Stringhini, reportou temas citados durante a audiência como evangelização, eleições, democracia e a condução da Igreja. A comitiva brasileira cumpre a visita Ad Limina Apostolorum, que reúne as lideranças das dioceses e o Santo Padre de tempos em tempos.

Entre alguns dos destaques observados pelo bispo diocesano estão a construção de uma igreja de proximidade com Deus, a tolerância zero em relação aos abusos, o cuidado e a evangelização da Juventude, com referência às Jornadas Mundiais da Juventude e a presença da Igreja nas escolas, não só confessionais e particulares, mas sobretudo nas públicas.

Sobre as eleições que serão realizadas neste domingo, 2, no Brasil, o papa recomendou aos bispos "a vigilância ao cumprimento dos resultados das urnas e a defesa da democracia".

Bastidores da reunião, como o interesse do papa pela prática pastoral em defesa dos mais pobres e os projetos em execução nas dioceses ali representadas, são lembrados por dom Pedro. 

O leitor de O Diário tem acompanhado a cobertura feita por dom Pedro ao papa Francisco (leia aqui).

Arcebispos e bispos brasileiros conversaram com o papa Francisco sobre temas que foram da evangelização às eleições no Brasil (Divulgação/Vatican Media)

Veja, a seguir, a carta assinada por dom Pedro Luiz Stringhini sobre a audiência com papa Francisco:

"O Papa Francisco recebeu em audiência, no dia 23 de setembro de 2022, os arcebispos e bispos das Províncias eclesiásticas de Aparecida, São Paulo e Sorocaba, do Regional Sul 1 da CNBB, que realizavam a visita Ad Limina Apostolorum. Na entrada, o Santo Padre saudou os bispos um a um, recebendo deles algumas lembranças e correspondências. Iniciando a audiência, permitiu a cada bispo que desejasse fazer uso da palavra.

A primeira intervenção foi o agradecimento ao Papa pela boa acolhida dispensada aos bispos nos dez dicastérios em que foram recebidos, num clima diálogo, escuta e troca de experiências. Foi dito ao Santo Padre que tal espírito de fraternidade foi compreendido como reflexo de sua orientação e seu modo de conduzir a Igreja, em que deve prevalecer a dimensão do serviço.

Outro irmão bispo recordou e agradeceu ao Santo Padre Francisco pela sua clara e explícita opção pelos pobres, seu empenho na defesa da criação e interesse pela preservação da Casa Comum, o Planeta Terra, conforme a Encíclica Laudato Si' (2015) e os esforços em favor da Paz mundial. Mencionou-se a guerra na Ucrânia e a difícil situação do Líbano. Perguntado sobre a possibilidade de uma visita ao Líbano, o Papa respondeu afirmativamente.

Aos bispos – pastores da Igreja à frente de suas dioceses – o Papa exortou que sejam pastores segundo o coração de Deus. Disse que "a proximidade é o estilo de Deus" e que "não se pode ser pastor sem proximidade". Lembrou quatro dimensões dessa proximidade: "com Deus, pela oração; entre os irmãos bispos, no exercício da unidade e da comunhão; com os sacerdotes, na fraternidade presbiteral e afeto ao clero, e com o povo, no cuidado das pessoas, especialmente dos que sofrem e dos pobres.

Dom Pedro entrega documento ao papa Francisco na visita feita por bispos brasileiros (Divulgação/Vatican Media)

No momento em que o Documento de Aparecida foi mencionado, o Papa recordou as anteriores conferências episcopais latino-americanas, citando Dom Luciano Mendes de Almeida como aquele que garantiu se chegasse a bom termo o Documento de Santo Domingo (1992). Recordou a linha ecológica do Documento de Aparecida (2007), ressaltando que, para a elaboração da Exortação Apostólica Evangelii Gaudium (24 de novembro de 2013), sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual, ele mesmo se inspirou em Aparecida e na Exortação Apostólica de São Paulo VI Evangelii Nuntiandi (8 de dezembro de 1975), sobre a evangelização.

Um dos bispos agradeceu o Santo Padre pelo Sínodo, cuja assembleia será em 2023 e cujo processo de consulta, preparação e vivência prática está acontecendo nas dioceses, a partir do tema "Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão". Falou-se do esforço de superação do clericalismo, e para tanto, completou o Papa, é necessário revisitar a Lumen Gentium (LG) com sua chave de compreensão que é o conceito de Igreja Povo de Deus. O Papa lembrou ainda ser propício, no momento atual, retomar as quatro constituições conciliares: Lumen Gentium, Dei Verbum, Sacrosanctum Concilium e Gaudium et Spes.

Abordaram-se ainda outros temas de grande importância: os tribunais eclesiásticos diocesanos, sobretudo no encaminhamento e solução para processos matrimoniais; a comissão de proteção aos vulneráveis e a tolerância zero em relação aos abusos; o cuidado e a evangelização da Juventude, com destaque às Jornadas Mundiais da Juventude e a presença da Igreja nas escolas, não só confessionais e particulares, mas sobretudo nas públicas; a importância e abrangência da Exortação Apostólica pós-sinodal Amoris Laetitia (19 de março de 2016), sobre o amor na família, dirigida especialmente aos esposos cristãos.

O Papa Francisco ainda abriu aos bispos a possibilidade de relatar alguma experiência de prática pastoral junto aos mais pobres. Foram mencionadas experiências ligadas às pastorais sociais e às cáritas diocesanas (povo de rua, lixão, etc). Fez-se também referência ao momento atual do Brasil, a poucos dias das eleições para deputados estaduais e federais, senadores, governadores e presidente da República. O Papa mostrou-se solidário aos esforços da Igreja e de toda a sociedade organizada para serenar os ânimos e evitar a violência. Sobretudo, haja vigilância para que os resultados das eleições sejam reconhecidos e a democracia seja preservada e fortalecida.

O encontro foi rico em conteúdo, num ambiente alegre e descontraído, que possibilitou uma forte experiência de amizade e fraternidade, geradora de entusiasmo e ânimo para os bispos, suas dioceses e todo o povo de Deus. Os bispos colheram do Papa Francisco seu testemunho e sua bênção".

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por