MENU
BUSCAR
BARULHO

Panelaço contra o governo Bolsonaro é ouvido em bairros de Mogi

O protesto foi ouvido em bairros de Mogi das Cruzes como o Mogilar, César de Souza e Jundiapeba

Fábio Palodette e Agência EstadoPublicado em 02/06/2021 às 20:48Atualizado há 13 dias

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi alvo de panelaços durante seu pronunciamento em rede nacional de rádio e TV nesta quarta-feira, 2. O ato foi ouvido em alguns bairros de Mogi das Cruzes como o Mogilar, Nova Mogilar, César de Souza e Jundiapeba. Os protestos, que ocorreram sob os gritos de "Fora Bolsonaro" e "Bolsonaro Genocida", também foram registrados em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro: um passo mais perto de Valdemar Costa, o Boy do PL

No Mogilar, o ato durou pouco tempo e não foi muito além de poucos gritos contra o presidente. Nas redes sociais, internautas ironizaram postagens sobre o tema. "Aqui no Jardim Ivete não ouvi nada", trouxe um comentário, entre outros similares. 

Cenário político

Bolsonaro enfrenta nesta quarta-feira, 2, um cenário de maior desgaste do que o de seu último pronunciamento, no dia 23 de março. Na CPI da Covid, o relator Renan Calheiros (MDB-AL) já sinalizou que há provas suficientes para comprovar que o governo não quis comprar vacinas para enfrentar a pandemia no País. Por outro lado, o presidente também tem visto sua popularidade cair nas últimas pesquisas. Em maio, segundo o Datafolha, a aprovação do mandatário recuou seis pontos e chegou a 24%, pior marca do mandato. 

A realização de atos em pelo menos 170 cidades brasileiras também somam à conjuntura de maior preocupação para o governo. Além de críticas à condução federal na pandemia, manifestantes pediram a retomada do auxílio emergencial de R$ 600 e a vacinação em massa da população. O País tem, até agora, apenas 21,58% da população vacinada com a primeira dose contra a Covid-19. 

Em março, Bolsonaro recuou do tom negacionista e prometeu vacinas aos brasileiros. Naquele dia, o Brasil tinha 298.843 mortos. Hoje já são mais de 465 mil, sendo 1.261 mortes confirmadas em Mogi das Cruzes, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde. 

ÚLTIMAS DE Cidades