MENU
BUSCAR
DESPEDIDA

"Obrigado, Vó. Fica com Deus". Missa de despedida de Vó Joana tem casos, música e agradecimentos

Dom Pedro e padre Alessandro conduzem a celebração de corpo presente na Paróquia de Nossa Senhora Aparecida e São Roque, no Distrito de Braz Cubas

Larissa Rodrigues e Eliane JoséPublicado em 17/11/2021 às 09:37Atualizado há 12 dias
Larissa Rodrigues
Larissa Rodrigues

Uma missa com agradecimentos, músicas e boas memórias marcou a despedida da família do padre Alessandro Campos da avó materna dele, Joana Miguel, que será enterrada nesta quarta-feira (17), no Cemitério da Saudade, em Mogi das Cruzes. A celebração aconteceu na paróquia Nossa Senhora Aparecida e São Roque, no distrito de Braz Cubas.

O bispo diocesano de Mogi das Cruzes, dom Pedro Luiz Stringhini, conduziu a celebração de corpo presente de Vó Joana, como era chamada a matriarca de 96 anos, que vinha há algum tempo enfrentando problemas de saúde típicos da velhice, como infecções nos sistemas pulmonar e urinário.

Desde o início, emocionado, o padre Alessandro destacou o agradecimento a Deus pela presença da mulher que o incentivou a seguir a vocação religiosa que o levaria a se tornar um dos padres cantores com maior número de seguidores em missas, shows e redes sociais.

Dom Pedro Stringhini estava acompanhado de outros padres e diáconos. Ele afirmou que a fraternidade católica estava ao lado da família Campos. "Nós estamos aqui para rezar pela avó Joana, uma mulher que teve vida longa, 96 anos, graças a Deus. Vamos rezar pela alma da avó que ajudou a criar o padre Alessandro. Ela o criou e, nos últimos anos,  na velhice, ele cuidou dela. Viemos também, nessa fraternidade, formada por padres e diáconos, mostrar o nosso apoio ao padre e toda a sua família".

Antes da celebração religiosa, à reportagem de O Diário, o padre compartilhou o sentimento dele e de seus familiares. "Primeiramente venho agradecer a Deus, estou com o coração sereno, com o sentimento de missão cumprida. Tudo o que eu podia fazer pela minha avó, eu fiz. Ela faleceu muito amada, muito querida por todos nós".

A potência da relação entre os dois é destacada pelo neto que sempre estave ao lado da avó: "Ela não é minha avó, é minha mãe, ela me criou, estamos aqui para dizer a Deus 'muito obrigado' e devolver a joia mais preciosa que ele nos deu. A minha vó era uma mulher muito católica, me ensinou os valores morais éticos, religiosos e sempre apoiou minha vocação. Ela ficou viúva aos 30 anos e se dedicou a criar a família".

Na rede social do site Igreja na Mídia (veja link) pode ser conferia a missa de corpo presente, que foi transmitida a partir das 10 horas, para um público pequeno, na Igreja de Nossa Senhora Aparecida e São Roque, em Braz Cubas, onde há alguns dias, o padre foi acolhido.

O ritual teve vários momentos marcantes, com a interpretação de músicas favoritas da avó.

Em um dos momentos da celebração, o padre Lázaro Mendes contou uma história de um garoto que era cuidado pela avó e não ia bem na escola. A diretora sempre mandava bilhetes reclamando do comportamento do menino e a avó dizia "tenha paciência com o meu neto, ele é um bom menino, vai dar tudo certo".

"Foi isso que a sua avó fez por você durante os 96 anos de vida. Pediu que Deus tivesse paciência, porque você conseguiria. Agora, ela está fazendo isso junto a ele, pedindo por você", disse Lázaro ao padre Alessandro.

Figura presente e forte na vida do padre cantor que reúne milhares de seguidores em missas, shows e redes sociais, a Vó Joana, como é chamada, o acompanhava em parte dessas atividades e foi uma incentivadora à carreira do neto.

Avós, aliás, estão entre o público que acompanha o religioso. E serão elas que poderão, agora, acolher o religioso, segundo ele disse. "Agora, ficarei com todas as avós do Brasil".

Amigos do religioso estiveram no velório, como o diretor da Rede Vida, João Monteiro de Barros Neto.

Trajetória

Nas últimas semanas, o padre vinha pedindo orações para a avó que estava hospitalizada em Mogi das Cruzes, onde a família reside. Ela permaneceu internada durante três dias, teve alta e voltou para a casa, porém, as complicações não seriam mais superadas.

Joana Miguel faleceu na noite de ontem e será enterrada no Cemitério da Saudade, após às 14 horas, em Mogi das Cruzes.

Ela deixou os filhos Maria de Fátima, Lázaro, Carlos, José Ailton, Nenete, Marlene e Aparecida, além de netos e bisnetos.

ÚLTIMAS DE Cidades