Entrar
Perfil
VIVA MOGI 2

Mogi planeja construir os parques do Brejinho e da Apa Rio Tietê

Com recursos financeiros do CAF Banco de Desenvolvimento de América Latina, também estão previstas obras de saneamento, agricultura e turismo rural

Eliane José
20/03/2022 às 19:00.
Atualizado em 20/03/2022 às 19:03

Brejinho de César tem sido alvo de incêndios e de outros crimes, como o depósito de lixo e poluentes (Eisner Soares)

Nos próximos meses, a Prefeitura de Mogi das Cruzes acompanha a análise e aguarda a liberação de um investimento de R$ 330 milhões para executar a segunda etapa do programa Viva Mogi ( antigo Mogi + Ecotietê) com recursos do CAF (Cooperativa Andina de Fomento) Banco de Desenvolvimento da América Latina.

O total solicitado é de US$ 62,5 milhões, sendo que  US $ 50 milhões serão financiados pelo CAF, e a contrapartida da Prefeitura é estimada em cerca de R$ 12,5 milhões.  Quando aprovado, esse recurso irá movimentar projetos viários, ambientais e de saneamento básico.

Uma aposta do projeto no colchete ambiental prevê a criação de outros dois parques nas áreas do Brejinho de César de Souza e na Apa do Rio Tietê, também na região a ser atendida por melhorias que surgirão com a conclusão do anel viário.

Esses dois equipamentos se somarão aos parques Centenário (que será ampliado) e ao Airton Nogueira, entre o Nova Mogilar e César de Souza, além do Leon Feffer, da Cidade, e Chiquinho Veríssimo (o Parque Municipal, na Serra do Itapeti).

Essa cadeia, que tem a maior parte ao lado do rio Tietê, pretende garantir a conectividade dos corredores florestais urbanos porque permitirá a interligação dos ecossistemas das serras do Itapeti e do Mar.

Criar meios de proteger o ir e vir de animais silvestres da Mata Atlântica combate a extinção de espécies e preserva, entre outras coisas, a dispersão de sementes, o patrimônio arbóreo de Mogi das Cruzes, e qualidades climáticas da cidade..

Os riscos a indivíduos ameaçados de extinção têm sido acelerados por situações como incêndios, a supressão da mata da região ribeirinha da bacia do Tietê, a descarga de poluentes e, no caso do Brejinho de César, a proliferação dos lixões e outros ataques ao meio ambiente.

Mogi das Cruzes e cidades da região ainda possuem brejos em condições de receber o bicudinho-do-brejo-paulista (Reprodução/Wikiaves)

A O Diário, o secretário municipal de Planejamento, o arquiteto Claudio de Faria Rodrigues, informa que um dos eixos do Viva Mogi 1 e 2 é garantir a preservação dos remascentes florestais urbanos da cidade e, com isso, estabelecer meios de proteger o meio ambiente.

O projeto apresentado ao CAF prevê a construção de redes de água e esgoto e saneamento rural

Viva Mogi 2

A segunda etapa do Viva Mogi almeja concretizar a visão estratégica do Plano Diretor com obras estruturantes para o desenvolvimento urbano, social e econômico e que serão realizadas no pós-pandemia, como afirma o arquiteto Claudio de Faria Rodrigues, secretário municipal de Planejamento. “Trata-se de uma linha de ações que a gestão municipal adota para potencializar de Mogi das Cruzes e instalar a cidade em um novo patamar de regional e estadual como referência por promover o desenvolvimento sustentável”.

Além dos projetos já em andamento com licenciamentos próximos de serem aprovados, segundo ele, a etapa futura do Viva Mogi irá complementar obras como a interligação da nova avenida paralela à via Ricieri José Marcatto, em César (chamado corredor leste) ao anel viário que poderá ser finalizado com a extensão de 8 quilômetros da via perimetral, com duas pistas e duas faixas, no mesmo modelo existente entre César de Souza e o Residencial Rubi.

Rodrigues afirma que, além do anel viário, esses projetos miram o desenvolvimento do meio ambiente, saneamento básico e setores econômicos como a agricultutra e turismo rural de Cocuera

Há objetivos, por exemplo, como a criação de ciclovia, a inserção digital dessas regiões com a conectividade à internet e sistemas que irão modernizar e dar maior segurança às estradas vicinais que ganharão 500 postes de iluminação em LED.

Na área agrícola e do turismo rural, essa fase busca vitaminar o empreendedorismo em Cocuera e áreas ainda não desenvolvidas que abarcam o entorno do traçado o anel viário, que ligará bairros como Caputera, Cocuera e César de Souza (ao lado da avenida Castello Branco).

“O plano tem uma estratégia ambiental com o objetivo de preservar a Apa do Rio Tietê, onde a passagem de pássaros e outras espécies compõem as florestas urbanas da cidade, com maciços vegetais que serão conectados e protegidos”, diz o secretário.

Esses estudos e promessas foram apresentados durante três dias aos representantes do CAF que realizaram uma missão de avaliação técnica em Mogi das Cruzes, e foram recebidos por secretários, vereadores e o prefeito Caio Cunha (veja detalhes do projeto divulgado pela Prefeitura de Mogi).

Além dos dados sobre as obras, os visitantes conheceram esses pontos e puderam recolher impressões que, agora, serão avaliadas pelo Banco de Desenvolvimento da América Latina. A aprovação, espera-se, poderá ser mais ágil porque a Prefeitura de Mogi viveu essa mesma experiência quando aprovou a primeira fase do Viva Mogi. 

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conoscoConteúdo de marcaConteúdo de marca
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por