Entrar
Perfil
MEIO AMBIENTE

Mogi das Cruzes mantém 20 pontos viciados de lixo clandestino

Alguns locais são próximos a Ecopontos, espaços que passaram a ser usados para reciclagem desde que os trabalhos na usina foram suspensos por causa da pandemia

Silvia Chimello
04/06/2021 às 17:42.
Atualizado em 05/06/2021 às 11:29

Problema de descarte clandestino é antigo, apesar dos apelos da Prefeitura (Eisner Soares / O Diário)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
MEIO AMBIENTE

Mogi das Cruzes mantém 20 pontos viciados de lixo clandestino

Alguns locais são próximos a Ecopontos, espaços que passaram a ser usados para reciclagem desde que os trabalhos na usina foram suspensos por causa da pandemia

Silvia Chimello
04/06/2021 às 17:42.
Atualizado em 05/06/2021 às 11:29

Problema de descarte clandestino é antigo, apesar dos apelos da Prefeitura (Eisner Soares / O Diário)

Mogi das Cruzes mantém aproximadamente 20 pontos mapeados de descarte irregular de resíduos, segundo levantamento feito pela Prefeitura. O número é o mesmo identificado no inicio do ano. A maioria das áreas críticas está localizada em regiões mais afastadas e distritos. Alguns desses locais são próximos a Ecopontos da cidade, espaços que passaram a ser usados para reciclagem de lixo desde que os trabalhos na usina de reciclagem foram suspensos por causa da pandemia da Covid-19.

O problema de lixo clandestino é antigo no Município, apesar dos constantes apelos feitos pela gestão para que as pessoas colaborem com o Meio Ambiente e descartem os resíduos em locais apropriados. Os pontos mais críticos estão localizados na avenida Prefeito Maurílio de Souza Leite Filho, no Parque Olímpico; nas margens da avenida Júlio Simões, em Braz Cubas; trechos do distrito de Jundiapeba e via de acesso ao bairro da Volta Fria a partir da rotatória da Via Perimetral.

A Prefeitura informa que possui também equipes encarregadas diariamente da manutenção da cidade, incluindo a retirada de lixo e entulho provenientes de descarte irregular, e destaca que esse trabalho só surtirá os efeitos desejados com a colaboração da comunidade, ao abandonar a prática e também denunciando sempre que testemunhar alguém praticando algo dessa natureza, gratuitamente, pelo telefone 153.

A Patrulha Rural da Guarda Municipal contribui com a fiscalização. No final de abril flagrou descarte irregular de entulho, na estrada da Porteira Preta. O responsável foi autuado pelo Departamento de Fiscalização de Posturas pela infração em 50 Unidades Fiscais do Município (UFM), o correspondente a R$ 9.375,50. Mas, nem mesmo os riscos da multa inibe essa prática

A destinação correta de lixo e materiais sem serventia, como reforça a Prefeitura, é fundamental para garantir a fluidez dos cursos d’água e a limpeza de áreas abertas, e a coleta de lixo regular permite o descarte dos objetos de forma adequada.

Além da coleta tradicional, Mogi possui três ecopontos – localizados no Jardim Armênia, Parque Olímpico e Jundiapeba – e a Operação Cata-Tranqueira, que percorre os bairros periodicamente recolhendo objetos sem uso descartados pela população

 Reciclagem

A Prefeitura discute também a retomada dos trabalhos de reciclagem na cidade. A suspensão da coleta seletiva vem gerando críticas por parte dos vereadores, que na última quarta-feira (2) trataram do assunto com Michele de Sá, secretaria municipal do Verde e Meio Ambiente, durante um encontro na Câmara de Mogi.

Os parlamentares defendem a retomada urgente dos trabalhos, com uso de protocolos de segurança, por entender que esse é o ganha pão de muitas famílias. Atualmente, apesar de o caminhão da coleta passar normalmente para recolher os descartes, todo material está sendo levado junto com o lixo comum para o aterro sanitário de Jambeiro.  

Na ocasião, Sá disse aos vereadores que o trabalho foi suspenso desde o início da pandemia. Esclareceu que a Usina de Triagem da Vila São Francisco, instalada em Braz Cubas, passa por reforma e que catadores de materiais recicláveis estão atuando nos Ecopontos, onde recebem os materiais e realizam a separação.

“Com o início da pandemia e o risco das aglomerações, o trabalho de separação de resíduos na Usina foi suspenso, justamente como forma de prevenção. Os catadores foram transferidos para os ecopontos, onde recebem os materiais e os encaminham para a reciclagem”, informou a secretária.

Nesse mesmo dia a titular da pasta se reuniu com membros da cooperativa de catadores para discutir as ações que estão sendo providenciadas pelo município para que do que o trabalho de reciclagem seja potencializado.

Durante o encontro. Michele explicou aos catadores que com o vencimento do contrato de reciclagem, este ano, um novo processo de chamamento foi aberto e a Pasta firmou um contrato com a Cooperativa dos Recicladores do Brasil, que assumiu o trabalho.

A Prefeitura alega que foi realizada uma licitação pública para a reforma da Usina de Triagem e que serão investidos R$ 318.182,44 no trabalho, com objetivo garantir melhores condições de trabalho aos cooperados. As obras devem começar na semana que vem. Além disso, a execução das obras será compatibilizada com o trabalho dos cooperados.

A destinação correta de lixo e materiais sem serventia é fundamental para garantir a fluidez dos cursos d’água e a limpeza de áreas abertas. A coleta de lixo regular permite o descarte dos objetos de forma adequada

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por