Em uma semana de retorno das aulas presenciais nas escolas estaduais - com rodízio de alunos para atender 35% da capacidade das salas de aula e ensino aliado às atividades remotadas - pelo menos 10 casos de contaminação pela Covid-19 foram registrados em três cidades da região do Alto Tietê.

As informações foram divulgadas no site do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp).

Cinco das confirmações da doença foram em unidades de ensino de Mogi das Cruzes. Os problemas ocorreram nas escolas estaduais Benedito Borges Vieira (1 professora contaminada), Iracema Brasil de Siqueira (1 professora), Silvia Mafra Machado (1 diretor), Cid Boucault (1 aluna), Paulo Ferrari Massaro, (1 professor).

Já em Suzano, são quatro registros da Covid-19. As escolas estaduais Roberto Bianchi e Chojiro Segawa tiveram um professor contaminado em cada uma. Na Yolanda Bassi, há dois casos confirmados, mas não foi divulgado se as pessoas fazem parte do corpo docente ou são estudantes. 

O décimo caso ocorreu na escola Olga Chaguri, de Salesópolis, que tem um um professor contaminado pelo novo coronavírus.

A subsede mogiana da Apeoesp enviou ofício à dirigente regional de Ensino de Mogi, Estela Vanessa de Menezes Cruz, solicitando providências em relação à confirmação de exame positivo para Covid-19 de familiares de uma aluna da E.E. Professor Cid Boucault, de Jundiapeba, que frequentou os primeiros dias de aulas presenciais.

Procurada pela reportagem, a Secretaria de Estado da Educação informou que dos 10 casos citados pela reportagem, foram confirmados dois em Mogi, um na escola Iracema Brasil de Siqueira e outro na Paulo Ferrari Massaro, e dois em Suzano - o primeiro na escolaYolanda Bassi e o segundo na Roberto Bianchi. A pasta não confirma as demais ocorrências.

“A vigilância sanitária e a unidade básica de saúde local foram comunicadas e todas as orientações foram seguidas. Os casos estão sendo acompanhados. O protocolo orienta que nas suspeitas ou confirmações, os servidores são afastados ao comunicarem os sintomas e aguardam os resultados dos exames em casa, de quarentena. Os professores e alunos que fazem parte do grupo de risco permanecem nas atividades remotas. Os casos confirmados e sob suspeita são acompanhados por meio do Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para Covid-19 da Seduc-SP (Secretaria de Estado da Educação), trouxe a nota enviada a O Diário.

A pasta completa que: “É errado afirmar que funcionários diagnosticados com a doença possam ter como única área possível de contaminação seu ambiente de trabalho, uma vez que a convivência em sociedade não limita o deslocamento a somente esse local. As escolas têm seguido todos os protocolos de saúde e segurança para que não haja risco de contaminação pelo vírus.