Ao contrário de outros dias, a fila para o recebimento da segunda dose da vacina contra a Covid não é grande, na manhã de hoje, na avenida Cívica. Foram ampliadas de três para nove o número de tendas de vacinação, e também antecipado em 15 minutos o horário de atendimento. A agilidade é visível, diante do quadro anterior, que recebeu muitas críticas e queixas.

Por outro lado, menos pessoas nas filas, sugere uma redução na procura pelo imunizante, o que acende um sinal de alerta: a necessidade de rapidamente ampliar a cobertura vacinal completa dos idosos. Especialistas temem que as pessoas não tomem a última dose, o que não garante a proteção contra a doença.

Hoje, a reportagem de O Diário encontrou a avenida Cívica praticamente vazia, apenas com a fila dos carros que adentram na via, nas primeiras horas da manhã. Segundo os organizadores, não havia fila quando eles chegaram para preparar o drive thru, que oferece a vacinação, com o idoso dentro carro.O atendimento começou 15 minutos mais cedo e estão em funcionamento cinco tendas. A tendência é de agilizar o atendimento, inclusive com a oferta do cadastro para agendar a hora da vacinação.

Uma mudança contrastante com o que se viu em todos os últimos finais de semana. A manutenção de mais equipes também foi verificada e garante a agilidade, nas primeiras horas deste sábado (3).

Luis Benigno Moura, de 78 anos, respirou aliviado, por tomar a segunda dose, sem a espera de horas veriricada anteriormente. "Está muito bom hoje, ainda bem, disse ele. O idoso chegou ao local às 8 horas e foi para a casa, uma hora depois.

Dulcina Nolasco, de 78 anos, chegou ao local 8h40 e recebeu a segunda dose, menos de uma hora depois. "Dá um alívio danado. Graças a Deus", comentou.

A segunda dose é que garante a imunização completa. Mogi das Cruzes, até agora, não atingiu nem mesmo a metade das pessoas que receberam a primeira dose.

Segundo indica o site da Prefeitura, foram vacinados parcialmente 40.371 idosos. Entre eles, menos da metade, 13.927 receberam a última dose. Ou seja, há uma urgência de se concluir essa etapa, que protege o paciente contra o vírus, mas não inibe a infecção.

Com a vacina, na verdade, se o organismo for infectado pelo coronavírus, os sintomas podem ser mais leves. Estudos começam a indicar a redução de mortes e internações de pessoas com mais de 80 anos, que receberam a imunização completa.

A pandemia está em seu pior momento no Brasil, com o avanço de mortes e de sintomas graves em pessoas mais jovens.